Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
24 de agosto de 2019, 12h24

Fundação Florestal, de Ricardo Salles, foi condenada por coagir funcionário a liberar mineração a mando da Fiesp

Atual ministro do Meio Ambiente de Jair Bolsonaro, Salles atendeu a uma demanda da Fiesp e coagiu um funcionário - que moveu a ação trabalhista - a alterar um mapa cartográfico para liberar a exploração de minério em uma área protegida

Bolsonaro e Ricardo Salles (Reprodução)

Reportagem do site The Intercept, divulgada neste sábado (24) por e-mail, revela que a Fundação Florestal, sob o comando do então secretário estadual de Meio Ambiente de São Paulo, Ricardo Salles, foi condenada pela Justiça por coagir um funcionário a liberar uma área de mineração a mando da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Segundo a reportagem, o atual ministro do Meio Ambiente de Jair Bolsonaro atendeu a uma demanda da Fiesp e coagiu um funcionário – que moveu a ação trabalhista – a alterar um mapa cartográfico para liberar a exploração de minério em uma área protegida.

O pedido teria sido feito por e-mail, por funcionárias nomeadas por Salles, sem a análise do conselho responsável por gerir a área.

“Tanto a prova oral como a prova documental que instruíram a petição inicial são robustas no sentido de demonstrar que o reclamante estava sendo coagido, por suas superioras hierárquicas, a realizar uma alteração ilícita nos mapas cartográficos referentes ao plano de manejo da Várzea do Tietê”, diz a sentença da juíza Fátima Ferreira.

Fiesp
A Fiesp foi a primeira entidade empresarial a sair em defesa de Jair Bolsonaro e Ricardo Salles após o levante, principalmente de países europeus, contra a política de devastação da Amazônia.

Em nota, Paulo Skaf, presidente da federação, disse que os países europeus “atacam a imagem do Brasil” com as críticas à política de desmatamento e destruição da Amazônia de Bolsonaro.

“A Fiesp vê com espanto as ameaças de países participantes do tratado comercial União Europeia-Mercosul, anunciado há menos de 60 dias, de recuarem no que foi acordado. Afinal, todos os pontos pactuados foram exaustivamente debatidos ao longo de 20 anos de negociações e são de amplo conhecimento de todos os envolvidos”, diz a nota.

Ficha corrida
Ex-militante do DEM, incentivador do assassinato de sem-terras e defensor dos latifundiários, o ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles mente no currículo e já foi condenado por fraude ambiental.

Renegado pelo próprio partido, o Novo, pelo qual foi candidato a deputado federal na última eleição, e alvo de um pedido de impeachment da Rede, Salles tem tentado, assim como Bolsonaro, se esquivar da responsabilidade pelo aumento de 278% do desmatamento na Amazônia em julho de 2019 e pelas crescentes queimadas na região desde que assumiu o ministério, mas seu perfil faz jus à “tragédia anunciada” que o mundo todo volta os olhos agora.

Saiba quem é, realmente, Ricardo Salles


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum