Fórum Educação
09 de agosto de 2019, 09h17

Governo vai colocar aliado para relatar indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada dos EUA

Nesta quinta-feira (8), os Estados Unidos deu aval para a indicação de Eduardo ao cargo de embaixador em Washington

Eduardo Bolsonaro (Foto: Paola de Orte/Agência Brasil)

A base governista de Jair Bolsonaro no Senado já manobra para colocar o senador  Chico Rodrigues (DEM-RR) como relator da designação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para a Embaixada do Brasil em Washington.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo desta sexta-feira (9), o nome de Rodrigues já foi levado ao presidente da Comissão de Relações Exteriores, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), responsável por formalizar a escolha do relator.

Nesta quinta-feira (8), os Estados Unidos deu aval para a indicação de Eduardo ao cargo de embaixador em Washington. No Senado, Eduardo precisa ter a maioria dos 81 votos no plenário.

O pedido de agrément, referente à indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada dos EUA, foi enviado no final de julho ao Departamento de Estado americano, que deu retorno favorável ao Brasil após cerca de duas semanas. Esse tipo de pedido normalmente é tratado de forma sigilosa entre os governos, para evitar constrangimentos caso o indicado fosse recusado pela embaixada do país de destino.

No entanto, no caso de Eduardo, Bolsonaro resolveu tornar público antes mesmo de enviar a consulta ao governo de Donald Trump. Como o pedido foi aceito, o presidente deverá realizar agora a indicação formal de seu filho para o posto, mas caberá ao Senado avaliar.

Nepotismo
Em meio à polêmica da indicação e do aval dos EUA, Câmara tentará votar na próxima quarta-feira (14) projeto que torna nepotismo indicar parentes para o cargo de ministro ou embaixador.

A indicação de Eduardo conseguiu unir direita e esquerda na Câmara na articulação para tentar barrar tais práticas de nepotismo no Brasil. Na autoria do projeto, à direita estão Kim Kataguiri (DEM-SP) e os parlamentares do Novo e, à esquerda, a presidente da comissão de trabalho, professora Marcivânia (PCdoB-AP).

O relator da proposta, Kim Kataguiri (DEM-SP), incluiu em seu voto uma emenda à lei dos servidores públicos. Segundo o texto, fica proibido “a nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade, até o terceiro grau” para cargos de ministro e chefe de missão diplomática permanente. Os relatores negam que o projeto seja uma retaliação à indicação de Bolsonaro.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum