Guedes cita incêndio em Notre Dame e ironiza França sobre preservação de florestas

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a ironizar o governo Emannuel Macron, da França, sobre a questão ambiental em evento com agentes do sistema financeiro promovido pelo Credit Suisse nesta quarta-feira (9). O tema da preservação das florestas, que já motivou rusgas entre Jair Bolsonaro e Macron, foi abordado por Guedes, que citou o […]

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a ironizar o governo Emannuel Macron, da França, sobre a questão ambiental em evento com agentes do sistema financeiro promovido pelo Credit Suisse nesta quarta-feira (9).

O tema da preservação das florestas, que já motivou rusgas entre Jair Bolsonaro e Macron, foi abordado por Guedes, que citou o incêndio na igreja de Notre Dame, em Paris, para ironizar as propostas do governo francês de auxílio para preservação do meio ambiente, especialmente na região amazônica, no Brasil.

“Em Paris, uma igreja, não conseguiram preservar. Imagine uma floresta inteira”, ironizou o ministro de Bolsonaro, ressaltando que “é difícil preservar” uma floresta do tamanho da Europa, mas que o Brasil tem feito “o melhor”.

“Não é isso o que fazemos [destruir florestas e exterminar índios]”, disse Guedes, após comparar Hamilton Mourão, vice-presidente brasileiro, ao general estadunidense George Custer, que foi candidato à presidência nos EUA e, à época, seria muito popular exterminar índios de uma terra rica em ouro, as Black Hills.

“O nosso general Mourão [que é coordenador do Conselho Nacional da Amazônia Legal] não vai ser morto pelos índios como o general [George] Custer”, afirmou.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR