Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de dezembro de 2019, 06h28

Guedes ironiza concentração de renda: “Vamos trazer o Fidel que ele resolve o problema da desigualdade”

Em entrevista à GloboNews, ministro fez piada ao falar sobre medidas do governo Bolsonaro para reduzir a desigualdade social e fez uma espécie de agradecimento ao grupo Globo e à mídia corporativista pelo "abraço" na agenda econômica

O ministro da Economia, Paulo Guedes (Divulgação)

Em um recado direto de que a política econômica do governo Jair Bolsonaro é feita para bancos e grandes empresários, que estão no seleto grupo que habita o todo da pirâmide social, o ministro da Economia, Paulo Guedes, fez piada ao falar sobre medidas para reduzir a desigualdade social no Brasil.

“Não olhe para nós procurando o fim da desigualdade social”, disse durante entrevista à GloboNews no fim da noite desta quarta-feira (18).

Sem detalhar, Guedes disse que “eles virão”, referindo-se aos programas sociais, e ironizou, com certo grau de irritação, a questão para ressaltar que tem propostas “menos intervencionistas”.

“Será que vocês precisam de um ditador? Vamos trazer o Fidel [Castro, ex-presidente de Cuba morto em 2016] que ele resolve o problema da desigualdade”, ironizou.

Estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), divulgado nesta quarta-feira mostra que a faixa de renda dos brasileiros mais pobres foi a única que perdeu rendimento durante o governo Bolsonaro. Segundo os dados, 51,8% dos mais pobres não tiveram ou perderam rendimentos nos primeiros três trimestres do ano.

Segundo o estudo, baseado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) Contínua, do IBGE, entre julho e setembro a renda domiciliar do trabalho da faixa de renda alta era 30,5 vezes maior que a da faixa de renda muito baixa, que reúne quase 30% (29,6%) dos domicílios brasileiros – com renda mensal de até R$ 1.643,78.

Macron e abraço da mídia
O ministro também usou a ironia para voltar a criticar o presidente francês, Emmanuel Macron, sobre os incêndios na Amazônia, dizendo que o francês não conseguiu nem mesmo impedir o incêndio da Catedral de Notre Dame, que foi incendiada em abril deste ano.

“Você vê a dificuldade de o Macron impedir de queimar Notre Dame e ele está aí, preocupado com o fogo na floresta. A Amazônia é do tamanho da Europa. A gente tenta cuidar, [mas] é difícil. ‘Tocaram’ fogo em Notre Dame e o Macron não conseguiu impedir”.

Na entrevista, Paulo Guedes ainda fez uma espécie de agradecimento ao grupo Globo e à mídia corporativista pelo “abraço” na agenda econômica tocada por ele.

“A mídia abraçou a agenda econômica, nós vimos a população nas ruas em apoio à reforma. A Câmara cortou pontos que eram mais sensíveis, o Senado trouxe os estados e municípios para a reforma. No fim, criamos uma reforma sólida”.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum