Haitiano coloca impeachment de Bolsonaro no topo dos temas do Twitter: #Bolsonaroacabou

Internautas fizeram coro ao imigrante que aparece em vídeo cara a cara com Bolsonaro com as hashtags #Bolsonaroacabou e #VoceNaoEPresidenteMais

O vídeo em que um haitiano diz na cara de Jair Bolsonaro “Você não é presidente mais” colocou novamente a possibilidade de um impeachment do presidente entre os assuntos mais comentados no Twitter na manhã desta terça-feira (17).

“Você não é presidente mais. Você está entendendo sim, eu estou falando brasileiro. Você está espalhando vírus e matando brasileiros”, disse o haitiano a Bolsonaro na noite desta segunda-feira (16).

Nas redes, a repercussão foi imediata e muitos internautas fizeram coro ao imigrante com as hashtags #Bolsonaroacabou e #VoceNaoEPresidenteMais.

“Bom dia! Assim q eu gosto! Chego no computador e vejo esse lindo dizendo na cara do miliciano #VoceNaoEPresidenteMais e #Bolsonaroacabou Por favor, digam q este pesadelo está prestes a acabar!”, tuitou Lola Aronovich.

“‘Bolsonaro, acabou. Você não é presidente mais!’ Mantra haitiano para repertirmos até virar realidade. #Bolsonaroacabou #Vocênãoépresidentemais #somostodosohaitiano”, escreveu Elika Takimoto.

O Haiti foi o primeiro país a fazer uma revolução conduzida por escravos que assustou o mundo, principalmente o Brasil. E continua assustando!!!”, escreveu Neila

“Muito obrigada, moço. Acordar e ver que #Bolsonaroacabou e #VoceNaoEPresidenteMais foi um doce deleite nessa manhã caótica”, tuitou Aline Paiva.

https://twitter.com/AlinePa30478052/status/1239874457969328129

Veja mais repercussões

Publicidade
https://twitter.com/gabriel81979/status/1239873113350901761
Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR