Hipocrisia: Bolsonaro dirige protótipo de ônibus elétrico e diz que é “exemplo para a COP26”

"O preço dos combustíveis está alto no Brasil, as causas disso são algumas, que já tenho debatido, falado de muitas delas. E isso aqui vem para nos ajudar", disse Bolsonaro, que levou ministros no passeio no protótipo do veículo, realidade na Europa desde 2018.

Pária no mundo por sua política predatória em relação ao meio ambiente, Jair Bolsonaro (Sem partido) recorreu à hipocrisia na manhã desta segunda-feira (29) ao testar um protótipo de ônibus elétrico e declarar que é “exemplo para a COP26“.

Leia também:
COP26: Política predatória de Bolsonaro faz Brasil cair 8 posições em índice de mudanças climáticas
Campeão: Rede com mais de 1500 ONGs elege Bolsonaro como o “fóssil” da COP26

“Como é um protótipo ainda, obviamente custa caro, mas a tendência é baixar o preço. Dessa forma nós colaborarmos para mudar ainda mais a forma de se fazer transporte no Brasil e no mundo. Tem uma autonomia acima de 200 quilômetros e tem tudo para dar certo. Pode fazer, acima de 200 quilômetros, uma linha Rio a Rezende. Um combustível verde, né João? E o Brasil, como estamos na COP 26, né, é um exemplo para o mundo não só na sua preservação ambiental, diferentemente do que se divulga mundo afora, inclusive o Brasil tá reflorestando. Isso aqui vem corroborar para com isso ai. O preço dos combustíveis está alto no Brasil, as causas disso são algumas, que já tenho debatido, falado de muitas delas. E isso aqui vem para nos ajudar”, disse Bolsonaro, de forma confusa.

O protótipo feito pela fabricante Marcopolo e a empresa Suzantur já é realidade desde 2018 em muitos países da Europa, que estão investindo pesado na compra de veículos movidos à energia elétrica, fabricados por diversas montadoras, como a BYD e a Mercedes.

Bolsonaro, que investe em mentiras para sustentar sua política predatória do Meio Ambiente, ignorou a COP26, ocorrida no início do mês e, em Dubai, disse que o Brasil foi atacado na conferência do Meio Ambiente.

Representando o Brasil, o ruralista Joaquim Leite, ministro do Meio Ambiente, afirmou que “onde existe muita floresta, existe muita pobreza”, defendendo a política de devastação, que bate recorde na Amazônia.

Após o discurso, Bolsonaro pilotou o ônibus pelo Planalto levando diversos ministros, como Paulo Guedes (Economia), Bento Albuquerque (Minas e Energia) e Marcos Pontes (Ciência e Tecnologia), além do filho, o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ).

Assista

Publicidade
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.