Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de novembro de 2019, 07h04

“Imagine o absurdo de busca e apreensão aqui em casa”, diz Carluxo sobre ação contra ele por coleta de provas no caso Marielle

Na manhã desta segunda-feira (4), parlamentares do PT protocolaram no STF uma notícia-crime contra Bolsonaro, o filho Carlos e o ministro da Justiça, Sergio Moro, depois que o presidente afirmou ter pegado as gravações da portaria do condomínio onde mora, que são provas das investigações do assassinato de Marielle Franco

Carlos e Jair Bolsonaro (Reprodução/Flickr)

O vereador licenciado Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) tem perdido o sono após as investigações do assassinato de Marielle Franco (PSol) e Anderson Gomes baterem à porta do condomínio onde mora, na Barra da Tijuca, área nobre do Rio de Janeiro. Às 6h41 desta terça-feira (5), Carluxo tuitou sobre uma ação proposta por parlamentares petistas levarem ao cumprimento de uma ação de busca e apreensão na sua casa.

“Vampiro,Amante e Montanha,acusados de desvios de milhões de R$ na Lava-Jato,entraram na justiça contra mim,Moro e o Presidente no caso Marielle. Imagine o absurdo de busca e apreensão aqui em casa por acessar a secretária eletrônica onde todos os moradores têm acesso?Não pararei!”, tuitou.

Adepto ferrenho da política de confronto que aprendeu com seu guru, Olavo de Carvalho, o vereador se refere aos parlamentares petistas pelos supostos apelidos encontrados pela Lava Jato em planilhas da Odebrecht.

Drácula – e não Vampiro, como cita o filho de Jair Bolsonaro – seria referência ao senador Humberto Costa (PT-PE), Amante seria a Alcunha da deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidenta nacional do partido, e Montanha é alusão ao deputado Paulo Pimenta (PT-RS).

Na manhã desta segunda-feira (4), os três protocolaram junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) uma notícia-crime contra Bolsonaro, o filho Carlos e o ministro da Justiça, Sergio Moro.

O motivo da notícia-crime é a afirmação pelo próprio presidente, no sábado (2), de que ele havia pegado os áudios da portaria de seu condomínio na Barra da Tijuca – uma possível obstrução de justiça, já que os arquivos são provas relacionadas às investigações do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum