Ironia: Bolsonaro diz que CPI apurou apenas que ele é motoqueiro

Provocação serviu de resposta a Omar Aziz (PSD-AM), que o chamou de péssimo presidente e ótimo motoqueiro

Por Leandro Massoni

Neste sábado (31), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que a CPI da Covid-19 apenas conseguiu descobrir sobre seu governo que ele é motoqueiro. A fala é uma provocação em resposta ao presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), que o chamou de péssimo presidente e ótimo motoqueiro.

Bolsonaro declarou: “Segundo aquele senador da CPI, eu sou motoqueiro. É o que a CPI conseguiu apurar agora contra o meu governo”. Após ter participado de uma motociata em Presidente Prudente (SP), o presidente ainda retomou o assunto das eleições e disse que não aceitará “farsa” em 2022.

Ainda em seu discurso, o presidente aproveitou para criticar a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que determinou que os estados e municípios têm autonomia para decidir sobre o fechamento ou não de suas atividades comerciais.

Para o Chefe de Estado, se não fosse a decisão do STF, ele poderia ter conduzido o país durante a pandemia e haveria menos mortes e mais pessoas curadas.

Um motoqueiro péssimo para governar

No último dia 13 de julho, durante reunião da CPI, Aziz disse que o presidente Jair Bolsonaro é “agressor de mulheres” e que o Brasil tem “um grande motoqueiro” e um “péssimo presidente”.

Na quarta-feira (28), o STF fez publicações em suas redes sociais onde volta a dizer que “não proibiu” o governo do presidente de atuar no combate à pandemia de Covid-19. “Uma mentira contada mil vezes não vira verdade”, alerta a publicação do Supremo em campanha contra a desinformação. “É verdadeiro que o STF decidiu que União, Estados e prefeituras tinham que atuar juntos, com medidas para proteger a população”, completou o STF.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR