Ministério da Saúde diz que contrato em inglês dificultou adesão ao Consórcio Covax Facility

Ofício cita a dificuldade porque os servidores não tinham "conhecimento suficiente de tal língua estrangeira a ponto de emitir manifestação conclusiva". À CPI, Pazuello classificou contrato como "nebuloso"

Em documento de setembro de 2020, a consultoria jurídica do Ministério da Saúde alegou que o fato do contrato estar em inglês dificultou a adesão do Brasil ao Consórcio Covax Facility de vacinas contra a Covid-19.

O ofício, que está em poder da CPI do Genocídio, cita a dificuldade porque os servidores não tinham “conhecimento suficiente de tal língua estrangeira a ponto de emitir manifestação conclusiva”.

A falta de conhecimento do inglês acarretou em outra alegação exposta pelo ministério: o curto espaço de tempo, já que os documentos chegaram em 24 de setembro com prazo de resposta para o dia seguinte.

Mesmo com o parecer, o Brasil só aderiu ao consórcio em março de 2021 e contratou a cota mínima de cobertura.

Em depoimento à CPI do Genocídio, o então ministro Eduardo Pazuello disse que optou por comprar a quantidade mínima de doses do Covax Facility, consórcio internacional para aquisição de vacinas, porque a negociação, na opinião dele, estava “nebulosa”.

“A negociação com a Covax Facility começou muito nebulosa. Não haviam bases, o preço inicial era 40 dólares a vacina, não havia garantia de fornecimento. A Covax não nos dava nem data, nem cronograma, nem garantia de entrega”, disse Pazuello.

Com informações da coluna Painel, da Folha de S.Paulo

Notícias relacionadas

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR