Mourão indicou desembargador da Lava Jato ao STF, mas Bolsonaro negou

Indicado pelo vice-presidente, Carlos Eduardo Thompson Flores é neto de ministro do Supremo; Bolsonaro preferiu optar por nome "terrivelmente evangélico"

O vice-presidente Hamilton Mourão confirmou, em conversa com jornalistas no Palácio do Planalto na manhã desta quarta-feira (13), que indicou o desembargador Carlos Eduardo Thompson Flores Lenz, presidente do TRF-4 no auge da Lava Jato, para a vaga de Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal (STF).

O presidente Jair Bolsonaro, porém, negou, e preferiu indicar o “terrivelmente evangélico” André Mendonça, ex-advogado-geral da União (AGU).

“Minha indicação o presidente não quer. (…) Já havia conversado com o presidente sobre o nome há muito tempo e o presidente também tem conhecimento do papel e da competência técnica e profissional do desembargador, mas ele tem outras variáveis que leva em consideração para essa decisão”, disse Mourão.

Lenz é neto de Carlos Thompson Flores, que foi ministro do STF, e trineto de Carlos Thompson Flores, fundador da Faculdade Livre de Direito de Porto Alegre. Presidente do Tribunal da Lava Jato, ele participou do lawfare que resultou na prisão do ex-presidente Lula nos processos que foram derrubados pelo STF por causa da parcialidade do ex-juiz Sergio Moro.

Notícias relacionadas

A indicação de Mendonça foi feita pelo presidente em julho, mas para ele se tornar ministro do Supremo, precisa ser aprovado após sabatina na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, presidida por Davi Alcolumbre (DEM-AP). O senador, no entanto, ainda não marcou data para que a sabatina aconteça.

Mourão disse, ainda, que não concorda com a postura de Alcolumbre de empacar a votação. “Acho que não está correto isso aí. O senador Alcolumbre deveria cumprir a tarefa dele, de presidente da CCJ, botar o nome para ser votado e acabou. Se for aprovado, muito bem. Se não for, muito bem também. É o papel do Senado confirmar ou não a indicação do presidente da República. Uma coisa eu digo claramente: não está correto.”

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR