segunda-feira, 21 set 2020
Publicidade

Para ministro Luiz Eduardo Ramos, Bolsonaro se apressou ao divulgar indicação do filho para embaixada

A declaração de Jair Bolsonaro no sentido de indicar seu filho, Eduardo Bolsonaro, para ser embaixador nos Estados Unidos não caiu bem sequer dentro do próprio governo. O general Luiz Eduardo Ramos, ministro da Secretaria de Governo, afirmou, nesta sexta-feira (12), que o presidente se apressou ao anunciar a indicação do filho.

Ramos definiu a iniciativa de Bolsonaro como coisa de momento e disse que o presidente poderia ter esperado uma semana para anunciar. Ele alega que a divulgação da notícia em meio à votação dos destaques da reformada da Previdência pode prejudicar as pretensões do governo e reforça as críticas da oposição.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

“Deu polêmica, reconheço, saiu na imprensa. Agora vamos aguardar. Poderia ter anunciado na semana que vem? Talvez, durante o recesso parlamentar. Vários deputados citaram essa nomeação, podia ter evitado”, declarou o ministro.

Recuos

Ele afirmou, ainda, que o anúncio de Bolsonaro não significa que Eduardo será o embaixador e mencionou outros recuos do presidente, que, depois de muitas críticas, desistiu de suas ideias iniciais, como a proposta de transferir a embaixada em Israel para Jerusalém.

“Meu amigo Bolsonaro tem esses momentos. Vou citar a famosa ‘vou levar embaixada pra Jerusalém’’ Eu pergunto: hoje está onde? Em Tel Aviv. Ele manifestou uma intenção”, destacou.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.