Pivô de esquema de corrupção na Saúde, Ricardo Barros sai em defesa de Bolsonaro frente ao TSE

Envolto em um esquema de corrupção implantando por ele ainda durante o governo Temer, Ricardo Barros criticou abertura pelo TSE de inquérito sobre ataques de Bolsonaro ao sistema de votação. "Não lhe cabe escolher a regra"

Ex-ministro da Saúde de Michel Temer e responsável por ter montado um esquema de corrupção na pasta que perdura até os dias atuais, o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR) saiu em defesa de Jair Bolsonaro (Sem partido) após o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinar abertura de inquérito sobre ataques do presidente ao sistema de votação.

“A justiça é poder moderador, não pode ser reativa. A justiça não ganha nem perde uma causa ou um pleito. Ela apenas aplica uma regra estabelecida pela sociedade para haver um resultado justo. Não lhe cabe escolher a regra, gostar ou não dela. Apenas cegamente aplica-la”, tuitou Barros às 23h31 desta segunda-feira (2).

Envolto em um esquema de corrupção implantando por ele ainda durante o governo Temer, que lhe renderia mensalmente cerca de R$ 296 mil, Barros virou frequentador assíduo do Planalto e adula Bolsonaro para manter a proteção – enquanto o PP, seu partido, assume o governo.

O esquema que começou na gestão de Barros é um dos alvos da CPI do Genocídio, que retoma os trabalhos nestsa terça-feira (3) com o depoimento do reverendo Amilton Gomes, fundador da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), uma Ong evangélica que teria exercido papel fundamental em uma negociação paralela para compra de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca.

Notícias relacionadas

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR