Queiroz depositou pelo menos 21 cheques na conta de Michelle Bolsonaro desde 2011

Quebra de sigilo bancário revela que depósitos de Queiroz na conta de Michelle chegam a pelo menos R$ 72 mil e mostra que Bolsonaro mentiu sobre versão que diz que houve devolução de empréstimo feito ao amigo de décadas

Reportagem de Fábio Serapião, na edição desta sexta-feira (7) da revista Crusoé, revela que o ex-PM Fabrício de Queiroz, que teria comandado o esquema de rachadinhas como assessor de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), depositou pelo menos 21 cheques na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, entre os anos de 2011 e 2018. O valor total chega a R$ 72 mil.

Leia também: Michelle Bolsonaro recebeu quatro cheques de Márcia Aguiar, esposa de Queiroz, no valor de R$ 11 mil

A reportagem, que teve acesso à quebra de sigilo bancário de Queiroz autorizada pela Justiça, afirma ainda que não foi encontrado nenhum depósito de Jair Bolsonaro nas contas de Queiroz, como forma de devolução do dinheiro depositado nas contas da primeira-dama.

As informações contrariam Bolsonaro, que em dezembro de 2018, antes de tomar posse, afirmou que o depósito de R$ 24 mil de Queiroz nas contas de Michelle seriam relativos a um empréstimo no valor de R$ 40 mil que ele teria concedido ao amigo de décadas.

Ainda segundo a Crusoé, a quebra de sigilo mostra que Queiroz recebeu R$ 6,2 milhões em suas contas entre 2007 e 2018. Desse montante, R$ 1,6 milhão seriam salários recebidos como PM e como assessor na Alerj. Outros R$ 2 milhões teriam vindo de 483 depósitos de servidores do gabinete de Flávio Bolsonaro, o que indicaria o esquema de rachadinha. Outros R$ 900 mil foram depositados em dinheiro, sem identificação do depositante.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR