Reestruturação do BB é “cortina de fumaça” para encobrir intenções privatistas, diz associação de funcionários

Funcionários pedem reunião de urgência com o presidente do Banco do Brasil, André Guilherme Brandão, para rever medidas de fechar 361 unidades e demitir 5 mil funcionários

Após anúncio de “reestruturação”, que vai fechar 361 unidades e forçar a demissão “voluntária” de 5 mil funcionários, funcionários do Banco do Brasil buscam abrir um canal de diálogo com a direção, solicitando uma reunião de urgência com o presidente da instituição, André Guilherme Brandão.

Notícias relacionadas

Em carta a Brandão – substituto de Rubem Novaes, que deixou a presidência do banco reclamando da dificuldade de privatizar -, a Associação Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (ANABB) afirma que “as medidas transmitem uma percepção de “cortina de fumaça” para encobrir as intenções privatistas em torno do BB”.

“Uma forma de se desfazer de patrimônio público é ir, gradativamente, enfraquecendo as empresas e comprometendo seu desempenho. A ANABB entende que o esvaziamento do BB e o enfraquecimento de sua atuação em áreas chave de negócios comprometem sua solidez e seu papel de banco público”, diz a carta.

Segundo a associação, a ação do governo Jair Bolsonaro vai na contramão “do papel histórico e institucional do Banco do Brasil na economia brasileira sobretudo em situações de estagnação econômica e de desafios para a retomada do desenvolvimento”.

“Em virtude da complexidade das medidas anunciadas, sem transparência e sem discussão prévia com os funcionários e com as comunidades atingidas, a ANABB reivindica revisão das medidas anunciadas, de forma a preservar não só os interesses dos acionistas, mas também de toda a sociedade”, diz a carta, assinada pelo presidente a associação, Reinaldo Fujimoto.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR