Suspeita de corrupção: Bolsonaro deu aval à compra de Covaxin por valor 1.000% mais caro

Bolsonaro deu aval à Precisa Medicamentos para comprar vacina indiana por um preço muito superior ao negociado diretamente pelo fabricante. Empresa é investigada por corrupção em compra de testes rápidos no DF

Novas informações divulgadas nesta terça-feira (22) por Julia Affonso, no jornal O Estado de S.Paulo, aumentam as suspeitas de corrupção do governo federal na compra da vacina Covaxin, produzida na Índia, país com que Jair Bolsonaro (Sem partido) fez lobby para liberação de cloroquina comprada pela farmacêutica EMS.

Desta vez o esquema tem como alvo a Precisa Medicamentos que, diferentemente dos demais imunizantes, intermediou a compra da vacina pelo Brasil.

Segundo a reportagem, Bolsonaro deu aval para a compra da Covaxin por um preço 1.000% maior do que, seis meses antes, havia sido anunciado pela própria fabricante.

Um telegrama da embaixada brasileira em Nova Délhi mostra que, quando lançada, a vacina produzida pelo laboratório indiano Bharat Biotech custava 100 rúpias ou cerca de 1,34 dólares a dose.

Em fevereiro desse ano, sob pressão de Bolsonaro, a Precisa Medicamentos fechou a compra para o Ministério da Saúde pelo valor de 15 dólares a unidade.

Ao mesmo tempo, o governo federal rejeitou a compra da vacina da Pfizer a 10 dólares alegando preço muito alto.

Na semana passada, a CPI do Genocídio autorizou a quebra dos sigilos telefônico, telemático, fiscal e bancário de Francisco Maximiano, um dos sócios da Precisa Medicamentos.

Em agosto, a empresa foi alvo do Ministério Público do Distrito Federal sob acusação de fraude em um contrato de R$ 21 milhões na venda de testes rápidos para covid-19 ao governo do Distrito Federal.

Publicidade
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR