sexta-feira, 30 out 2020
Publicidade

Nelson Teich pede demissão do Ministério da Saúde; general deve assumir

O ministro da Saúde, Nelson Teich, deixou o cargo nesta sexta-feira (15), antes de completar um mês à frente da pasta. Em nota, a pasta informou que ele pediu demissão.

Contando com a demissão de Teich a qualquer momento pela discordância em relação ao uso da cloroquina para tratamento da Covid-19, Jair Bolsonaro já teria convidado o general Eduardo Pazuello para assumir o Ministério da Saúde.

Pazuello, que foi colocado como número 2 da pasta para tutelar o ministro, já teria dito que aceita assumir o cargo.

Teich foi chamado para uma reunião no Palácio do Planalto na manhã desta sexta-feira (15), após se reunir fora da agenda com o presidente ontem. Ele esteve com Bolsonaro e depois voltou para o prédio do Ministério da Saúde. A demissão foi anunciada logo depois.

Teich se colocou na linha de tiro após se divulgar tuítes que prega cautela no uso de cloroquina para tratamento do coronavírus. Contrariado, Bolsonaro desautorizou publicamente o ministro e marcou uma reunião fora da agenda nesta quinta-feira (14) para falar sobre o assunto.

O ministro teria desabafado com amigos que está difícil conciliar os desejos de Bolsonaro — de uso da cloroquina e flexibilização do isolamento — com a realidade.

No próximo domingo (17), Teich completaria um mês no cargo, após substituir um desgastado Luiz Henrique Mandetta, que passou por um processo de fritura justamente por confrontar Bolsonaro.

“Economista da saúde”
Alçado ao Ministério da Saúde em meio ao embate entre Mandetta e Bolsonaro, Nelson Teich abandonou a alcunha de médico e a prática da oncologia há mais de três décadas, quando fundou as Clínicas Oncológicas Integradas (COI) e passou a querer ser identificado como um “economista da saúde”.

Sob tutela dos militares, em especial do pretenso sucessor general Pazuello, Teich protagonizou confusões – inclusive em vestir a máscara de proteção – e colecionou humilhações públicas feitas por Bolsonaro em menos de 30 dias no cargo.

Confuso, Teich cometeu gafe ao rebater uma declaração do ex-presidente Lula, dizendo que inciou a carreira há 39 anos no SUS, sendo que sistema foi criado apenas em 1988 e já ganhou o rótulo de comunista pela milícia virtual bolsonarista por não se “alinhar” ao diagnóstico de cloroquina do presidente.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.