Vídeo: Bolsonaro se faz de vítima e diz que espera mais aumento da inflação

Em conversa com apoiadores, o presidente reclamou que é sempre o “responsável por tudo. Acha um cara melhor, sem problema nenhum. Tem muita gente boa candidato”

Jair Bolsonaro voltou a se queixar do cargo de presidente da República, nesta terça-feira (19), em conversa com apoiadores, em frente ao Palácio da Alvorada. Ele, novamente, se fez de vítima, se disse “incompreendido”, sendo sempre o “responsável por tudo”. Além disso, afirmou que espera novo aumento da inflação.

Bolsonaro, como de hábito, fugiu de sua responsabilidade e culpou os governadores pela desastrosa situação econômica do país. Ele reclamou das medidas restritivas impostas durante a pandemia do coronavírus.

“Os problemas existem, o que é duro é a incompreensão. A política do ‘fica em casa’ abalou o mundo todo e o Brasil não está fora deste contexto. O tempo todo sou responsável por tudo, se é assim, acha um cara melhor, sem problema nenhum. Tem muita gente boa candidato”, disse.

O presidente declarou, ainda, que espera novo aumento da inflação. “Vai chegar mais. Combustível, energia elétrica, alimentação. Agora, a pior coisa que tem é desesperar, achar um responsável pelo seu insucesso. Responsável é quem adotou essa política do politicamente correto”.

A Agência Nacional do Petróleo, Gás e Combustível (ANP) divulgou, nesta terça, que o preço do litro do combustível nos postos brasileiros aumentou 3,3% na semana passada, alcançando o valor médio de R$ 6,32 e máximo de R$ 7,49.

CPI do Genocídio

Bolsonaro citou a CPI do Genocídio e criticou o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão. “Para mim, não pega nada, estou ignorando (o que chama de perseguição). Vou me preocupar com a CPI, por exemplo? Brincadeira. Tem acusação do Renan, suspeita de corrupção. Do Renan”, acrescentou.

Assista ao vídeo:

Publicidade
Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR