Vídeo: “Eu não posso fazer milagre”, diz Bolsonaro sobre alta dos combustíveis

A apoiadores, Bolsonaro antecipou novo reajuste do diesel e confirmou que a alta dos combustíveis é resultado da política de paridade com o mercado internacional, adotada no governo Temer, antes de culpar mais uma vez o PT

Antecipando um novo aumento no preço do diesel, Jair Bolsonaro (Sem partido) deu uma explicação confusa sobre o alto preço dos combustíveis no país e disse que não pode “fazer milagres” para segurar os reajustes em conversa com apoiadores na noite desta segunda-feira (28).

Leia também:
Guedes fala em privatizar Petrobras e Banco do Brasil em 10 anos
Presidente da Petrobras ri com pergunta sobre diminuir preço do gás para os mais pobres

“Pessoal está insatisfeito? Está. Inclusive estamos há três meses sem aumentar o diesel. Vai ter um reajuste daqui a pouco, não vai demorar. Vai ter que ter… Não posso fazer milagre”, disse Bolsonaro, horas após a Petrobras anunciar um novo aumento de preço dos combustíveis por causa da “defasagem” dos preços.

Em relação ao preço do diesel, Bolsonaro mentiu aos apoiadores. O último aumento do combustíveis, que impacta diretamente no consumo das famílias, foi de 3,7% no dia 6 de julho, a menos de três meses portanto.

Paridade do preço do petróleo

Para minimizar a responsabilidade sobre o preço dos combustíveis, Bolsonaro afirmou que não é “dono da Petrobras” e revelou aos apoiadores que os reajustes são fruto da política de paridade de preços com o mercado internacional, que a estatal brasileira adotou em “2015, 2016”, quando Michel Temer (MDB) assumiu a Presidência após o golpe contra Dilma Rousseff (PT).

“O óleo brent, o óleo cru, fora do Brasil teve uma grande alta de ontem para hoje. E não dá para fazer milagres. Eu não sou dono da Petrobras. Eu não posso falar: não aumenta. Nove instituições regulam a Petrobras. A última lei da paridade é de 2015, 2016. Subiu lá fora o petróleo, subiu o dólar aqui, aumento automático”, afirmou Bolsonaro, contando o real motivo da alta dos combustíveis.

Na sequência, no entanto, ele culpou o PT pelos aumentos dos combustíveis. Nos governos petistas, o Brasil alcançou autossuficiência em petróleo e expandiu a rede de refino e distribuição, o que possibilitou desvincular o preço dos combustíveis da paridade internacional do petróleo.

“Quem quebrou a Petrobras?… Quebrou não, né? Petrolífera não quebra… Quem arrebentou a Petrobras foi o PT. Mais de 200 bilhões de reais gastos com refinarias que não aconteceram. A conta para quem bota gasolina no carro pagar”, justificou Bolsonaro, em explicação sem sentido.

Publicidade
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.