Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
04 de novembro de 2019, 09h24

Weintraub a conservadores: “Nando Moura não deveria estar sendo caçado de pau”

Weintraub falou por quase uma hora em live com o Movimento Brasil Conservador e explicitou a política de confronto, inspirada em Olavo de Carvalho, do governo. "Eu não falo a quantidade de palavrões que o professor Olavo fala [...] Eu vou mais na troça, tirando sarro. Mas, se você pegar Eduardo Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, Jordy, a turma toda"

Nando Moura e Weintraub (Montagem)

Sem dar entrevistas à Globo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, falou por quase uma hora no dia 1º de Novembro, às vésperas do Enem, em uma live com integrantes do Movimento Brasil Conservador onde criticou a estratégia de caça ao que chama de “expurgos nossos”, em relação aos dissidentes do movimento que alçou Jair Bolsonaro ao poder.

Weintraub ressaltou que o modelo de fazer política de confronto adotado pelo governo foi copiada do guru Olavo de Carvalho – que fez “escola” -.

“Eu não falo a quantidade de palavrões que o professor Olavo fala […] Quando eu vou para o confronto, dificilmente eu vou para o palavrão. Cada um tem um estilo. Eu vou mais na troça, tirando sarro. Mas, se você pegar Eduardo Bolsonaro, Carlos Bolsonaro, Jordy, a turma toda”.

O ministro, no entanto, ressaltou que alguns dos “expurgos”, como Nando Moura, não deveriam estar “sendo caçado de pau”.

“Até agora, a gente está tendo uma coisa muito chata, bastante desconfortável que é(SIC) os expurgos nossos. Eu acho que muita gente que a gente colocou de escanteio não merecia ter esse tratamento que está tendo. Isso é uma coisa que estou querendo conversar mais a fundo. A gente luta pela liberdade de falar o que quer falar. Se a pessoa fala uma coisa que a gente não quer escutar, a gente não pode moer ela”, disse o ministro, antes de ser indagado quem seriam essas pessoas. “O Nando Moura, porra! O Nando Moura não deveria estar sendo caçado de pau, como está sendo caçado”, disse.

Weintraub ainda comparou ele e o irmão, o assessor especial da Presidência, Arthur Weintraub, ao novo e ao velho testamento. Segundo o ministro, Arthur é o “novo testamento”, disposto a perdoar 70 vezes 7. Já ele seria o velho testamento.

“Eu sou o velho [testamento]. Pra mim é a Lei de Talião. É olho por olho, dente por dente. De preferência os dois dentes do cara e os dois olhos”, ressaltando que “eu, Abrahamzinho, que sou velho testamento, estou dizendo que a gente tem que oferecer a outra face, pô”.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum