Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de fevereiro de 2019, 19h21

Brasil monta força-tarefa para entrega de suposta “ajuda humanitária” à Venezuela

Ministro da Defesa da Venezuela voltou a declarar seu compromisso com o presidente legítimo Nicolás Maduro e prometeu proteger a fronteira de “ameaças à integridade territorial venezuelana”

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Otávio do Rêgo Barros, porta-voz da presidência da República, anunciou, nesta terça-feira, 19, que o Brasil montará uma força-tarefa em Roraima, na fronteira com a Venezuela. O objetivo, segundo ele, é participar da entrega de “ajuda humanitária”, encaminhada pelo governo dos Estados Unidos, em coordenação com a oposição venezuelana, a partir de 23 de fevereiro.

A medida foi tomara após reunião na manhã desta terça, que reuniu, alé de Jair Bolsonaro, o vice-presidente general Hamilton Mourão; o presidente do Senado, Davi Alcolumbre; o presidente da Câmara, Rodrigo Maia; o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli; os ministros da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva; das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; da Casa Covil, Onyx Lorenzoni; da Secretaria de Governo, general Santos Cruz; e do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno

Segundo Rêgo Barros, Roraima será um ponto de auxílio, ao lado de Cúcuta, na Colômbia. Ainda de acordo com o porta-voz, alimentos e remédios serão disponibilizados na capital, Boa Vista, e em Pacaraima, na fronteira com Santa Elena de Uairen, de acordo com informações do Estado de S.Paulo.

Já o terceiro ponto de entrega da suposta ajuda humanitária fica nas Antilhas Holandesas, que reúnem as ilhas de Aruba, Curaçao e Bonaire. Entretanto, mais cedo, a Marinha da Venezuela anunciou que fecharia a fronteira aérea e marítima com o arquipélago caribenho.

Compromisso

Vladimir Padrino, ministro da Defesa da Venezuela, voltou a declarar seu compromisso com o presidente legítimo Nicolás Maduro e prometeu proteger a fronteira de “ameaças à integridade territorial venezuelana”.

“A Força Armada permanecerá mobilizada e alerta ao longo das fronteiras (…) para evitar qualquer violação à integridade de seu território”, disse Padrino.

O governo de Cuba vem alertando desde o dia 13 de fevereiro que os Estados Unidos pretendem “fabricar um pretexto humanitário para iniciar uma agressão militar contra a Venezuela” e denunciou voos militares na região do Caribe como parte dos preparativos.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum