Bruno Covas diz que vai largar vida de solteiro e está “igual criança que vai a Disney”

Prestes a assumir a prefeitura de São Paulo, o vice de João Doria comparou a sua ansiedade a de uma criança que vai a Disney pela primeira vez; com um perfil de "turista" - Covas esteve ausente por 47 dias da cidade só em 2017 -, disse que agora acabou a "vida de solteiro"

O vice-prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), não vê a hora de assumir a prefeitura de São Paulo. Em entrevista à Veja concedida na sexta-feira (23), o neto do ex-governador Mário Covas comparou a sua ansiedade a de uma criança que vai a Disney pela primeira vez.

“Já viu criança quando vai a Disney pela primeira vez? Estou igual”, afirmou.

Covas assume como prefeito em abril, quando João Doria deixa o cargo para se candidatar a governador. Diferente de seu chefe, que se diz “gestor”, Covas assume que tem “orgulho” de ser político. Em outros aspectos, no entanto, é muito parecido com Doria. Assim como o atual prefeito, o vice passou boa parte do mandato viajando e fazendo turismo. Somente em 2017, esteve ausente da cidade por 47 dias.

Ele, inclusive, está viajando nesta semana que antecede a sua posse. Foi descansar um pouco em Miame (EUA) e vai emendar o feriado de Páscoa na Baixada Santista. Prometeu não levar nem o celular para se “desligar de tudo”.

Jovem, com fama de quem está “curtindo a vida adoidado” desde que entrou no Executivo municipal, o vice-prefeito garantiu que agora, no entanto, é hora de “deixar a vida de solteiro”.

“Tenho 37 anos e vivo como uma pessoa dessa idade. Mas, se até agora eu levava uma vida de solteiro, a partir de 7 de abril vou ser um homem casado com a cidade de São Paulo. Serão vidas distintas”, disse.

 

 

Publicidade
Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR