Câmara aprova PEC Emergencial em segundo turno

O líder do PT, deputado Bohn Gass, denuncia que bolsonaristas não querem votar destaques propostos pela oposição

A Câmara aprovou, em segundo turno, nesta quinta-feira (11), o texto-base da Proposta de Emenda à Constituição, a PEC Emergencial. Antes de terminar a apreciação do texto, os parlamentares precisam analisar os destaques, que abordam possíveis mudanças no projeto.

O líder do PT na Câmara, deputado Bohn Gass (RS), denuncia que parlamentares ligados ao governo Bolsonaro evitam discutir destaques propostos pela oposição.

“Bolsonaristas da Câmara não querem debater destaques da oposição à PEC. Por quê? Porque quanto mais se debate, mais fica nítido que a PEC não é emergencial e a vinculação com auxílio emergencial é falsa. Querem congelar saúde e educação para sempre e dar um auxílio insuficiente por apenas quatro meses”, avalia Gass.

A oposição havia conseguido uma vitória ao alterar trecho da PEC, durante votação de destaque, em sessão realizada nesta quarta-feira (10). 

A PEC vincula o retorno do auxílio ao estabelecimento de regras fiscais mais rígidas e é vista como uma chantagem do presidente Jair Bolsonaro e do ministro da Economia, Paulo Guedes.

Pressa

A expectativa do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), aliado de Bolsonaro, é encerrar a votação ainda nesta quinta. Ele quer que o texto seja encaminhado rapidamente para promulgação.

“É importantíssimo que nós terminemos hoje essa PEC para dar tempo de tomar as providências necessárias e passarmos para outros assuntos, que são, justamente, a reforma administrativa, com a CCJ já instalada e a liberação do relatório, e vamos trabalhar neste final de semana para que se apresente também o mais rápido possível o da reforma tributária”, afirmou Lira.

Ao todo, 366 deputados votaram favoravelmente, enquanto 127 foram contra. Houve três abstenções.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR