Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
07 de julho de 2018, 09h37

Candidatura de Dilma corre risco de ser barrada judicialmente, dizem especialistas

O problema estaria no fatiamento do processo de impeachment, o que poderá fazer com que a candidatura chegue ao Supremo Tribunal Federal para análise

Foto: Lula Marques/Agência PT

A candidatura de Dilma Rousseff (PT) ao Senado Federal por Minas Gerais corre o risco de ser impedida judicialmente, segundo análise de especialistas consultados pela Folha de S.Paulo, em reportagem de Carolina Linhares. O registro da candidatura deve obrigar o Supremo Tribunal Federal (STF) a discutir o fatiamento do impeachment da ex-presidenta da República.

“A candidatura está relevantemente ameaçada porque certamente será impugnada. Essa impugnação chegará ao plenário do Supremo e ali hoje não há como se ter uma previsibilidade do que vai acontecer”, afirma o advogado eleitoral e professor da PUC-SP, Carlos Gonçalves Júnior.

A insegurança jurídica em relação à candidatura de Dilma é proveniente do fatiamento do processo. Sob a condução de Ricardo Lewandowski, então presidente do STF, os senadores resolveram votar separadamente a cassação de Dilma e a perda de seus direitos políticos. Somente a primeira punição foi aprovada.

“Essa questão não foi enfrentada pelo STF, mas ela está latente. E agora a situação concreta vai surgir”, destaca a professora de direito eleitoral da FGV-Rio e procuradora da República, Silvana Batini. Caberá ao TRE-MG julgar se ela está elegível, mas o caso tende a parar no Tribunal Superior Eleitoral e, depois, no STF por meio de recursos.

Segundo Rodolfo Viana Pereira, professor de direito da UFMG, o Supremo já decidiu em outras ocasiões não ter competência para modificar regras adotadas em ritos no Congresso, mas já corrigiu medidas do Legislativo em decisões.

O deputado estadual Rogério Correia (PT) diz que dificilmente o STF decidirá de forma negativa para a petista. “Corre o risco, se o impeachment for julgado, de ele, sim, ser considerado ilegal. Porque se provou que não havia tido as pedaladas. É mais fácil anular o impeachment do que impugnar Dilma”, conclui.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum