Capitã Cloroquina combinou perguntas com senadores bolsonaristas da CPI; assista

O The Intercept teve acesso à gravação de um treinamento que Mayra Pinheiro fez antes de prestar depoimento; ela pede questões para repassar a aliados do governo

Um vídeo divulgado pelo The Intercept nesta quarta-feira (21) mostra a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde, Mayra Pinheiro – conhecida como “Capitã Cloroquina” –  pedindo pergunta para serem enviadas aos senadores governistas da CPI do Genocídio.

As imagens exibidas no programa Cama de Gato, do jornalista Leandro Demori, mostram Pinheiro participando de uma reunião preparatória para a CPI com o epidemiologista bolsonarista Regis Bruni Andriolo e Helio Angotti Neto, também secretário do ministério.

“Se o senhor puder fazer três ou quatro perguntinhas que os ‘deputados’ podem me fazer. Tem um grupo que nos apoia, que reconhece o nosso trabalho. Esse grupo precisa fazer perguntas que nos ajudem no nosso discurso. Que perguntas eu posso dar pra esses senadores fazerem a mim. Eles chutam para eu fazer o gol? Capricha e já me dá a resposta”, diz a secretária a Andriolo.

“São 5 senadores que vão jogar com a gente”, completa.

Em um momento da gravação, ela brinca com um livro de Olavo de Carvalho presente na estante de Angotti. “É a Capitã Cloroquina e o olavista. Literalmente estamos no Brasil Paralelo aqui”, diz.

No vídeo mostra que Pinheiro não domina as pesquisas sobre a cloroquina, que ela defendia como a salvação contra a Covid.

Pinheiro é oficialmente investigada pela comissão.

ASSISTA:

Publicidade
Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR