Fórumcast, o podcast da Fórum
11 de junho de 2018, 20h51

Carina Vitral: “O desafio da nossa geração é ocupar o poder”

A classe política desempenha uma função mais importante do que somente disputar eleições. Deve discutir um projeto de nação e organizar o povo. E para isso a juventude tem uma importância preponderante

Foto: Reprodução/Facebook Carina Vitral

Por Carina Vitral*

No momento em que o Brasil convive com um autêntico golpe institucional, que ameaça de forma concreta nossa democracia, é natural que haja uma crise de representatividade, uma crise profunda nas instituições. A consequência prática disso é que milhares de pessoas recorrem ao voto nulo ou à abstenção eleitoral, uma maneira de traduzir o descrédito na política. E isso ocorre justamente em um ano decisivo para nós brasileiros, pois em outubro serão realizadas eleições majoritárias, que podem, dependendo dos resultados, trazer o Brasil de volta aos seus melhores dias ou, então, mergulhar o país de vez no mais absoluto abismo institucional.

Dentro desse quadro é imprescindível questionar: qual renovação política nós queremos? Para a juventude, essa é uma questão central, pois cabe às lideranças jovens tentar reencantar a sociedade e devolver esperança no país. Entretanto, é necessário adotar cautela e não se deixar levar por falsas novidades. Esse cenário de incertezas é propício para que apareçam inúmeros movimentos que se intitulam como “o novo”, mas, na verdade, são donos de ideias antigas e anacrônicas.

Quando falamos em renovação no cenário político precisamos saber para onde queremos renovar. Não basta ser jovem, é preciso estar do lado das lutas do povo. O verdadeiro “novo” tem plataforma definida em favor do povo, está em defesa da educação pública, da distribuição de renda e dos direitos dos trabalhadores, ao contrário de alguns movimentos que se dizem novos, mas não apresentam pautas que contemplem a maioria da população. Onde eles estavam quando milhares de pessoas foram para a rua contra o aumento das tarifas do transporte público em junho de 2013? Onde estavam no momento em que estudantes ocuparam escolas estaduais de São Paulo contra a reforma do ensino médio? A renovação real reúne pessoas que lutam para ocupar o poder e transformar o país.

Essa ocupação por parte da juventude precisa necessariamente objetivar a renovação e não a reprodução de velhas práticas. E dentro da nova política é fundamental colocar esse enfrentamento, desmascarar, de fato, quem defende medidas contra o povo. Hoje, são vários retrocessos que estão tomando conta do país, como a reforma trabalhista, que precariza ainda mais o trabalho da juventude.

O desemprego entre os jovens no Brasil atingiu, no fim de 2017, a maior taxa em 27 anos, com 30% das pessoas de 15 a 24 anos em busca de uma ocupação. As informações são do estudo “Tendências Globais de Emprego para a Juventude 2017”, divulgado pela Organização Internacional do Trabalho (OIT). A taxa brasileira é mais do que o dobro da média mundial, de 13,1%.

Outro dado significativo se refere à relação entre juventude, racismo e violência. Segundo números do Mapa da Violência, da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso), um jovem negro morre a cada 23 minutos no país. Por isso, é importante pensar que se a gente quer uma nação desenvolvida e com melhor qualidade de vida para todas e todos não se pode permitir que se perca boa parte da juventude, que poderia contribuir para o desenvolvimento social, por conta da violência.

A política deve ser renovada pelos jovens para aprofundar a democracia. A juventude chegando ao poder representa a mudança das formas de se fazer política, não como pretensas novas faces que dizem querer renovar, mas na verdade representam o velho. Acredito que o Estado tem de ser forte para gerir os recursos estratégicos do país, como exploração do pré-sal, petróleo, defesa da Amazônia, entre outros. Atualmente, o que observamos é que alguns instrumentos do Estado, como o Ministério Público, a Polícia Militar e a Polícia Federal se voltam contra a população, inclusive, exterminando a juventude negra e indo contra os movimentos sociais.

Na realidade, o Brasil vive uma democracia frágil. A prova é que nos anos pós-ditadura, dos quatro presidentes, apenas dois concluíram o mandato. O país não é acostumado à democracia. A verdadeira reforma política depende do combate à corrupção e deve, necessariamente, aproximar a política da população, especialmente da juventude. A reforma deve passar pelo debate de ideias e propostas. A classe política desempenha uma função mais importante do que somente disputar eleições. Deve discutir um projeto de nação e organizar o povo. E para isso a juventude tem uma importância preponderante.

(*) Carina Vitral é ex-presidenta da UNE, presidenta da UJS, foi candidata à prefeita de Santos e hoje é pré-candidata à deputada  estadual pelo PCdoB


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum