Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
02 de outubro de 2018, 17h36

Carina Vitral sofre censura do Facebook após convocação para o #EleNão

“É preocupante a coincidência de a conta de anúncio ter sido derrubada justamente no dia em que milhares de mulheres saíram às ruas em várias cidades do Brasil e do mundo para lutar contra o fascismo e por democracia”, avalia a candidata a deputada estadual pelo PCdoB-SP

Foto: Reprodução/Facebook Carina Vitral

A página de Carina Vitral, candidata a deputada estadual em São Paulo pelo PCdoB, sofreu censura do Facebook, após ter publicado conteúdo sobre o #EleNão, manifestações de mulheres contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL), que ocorreram em inúmeras cidades do pais e do exterior, no último sábado (29).

No mesmo dia, o Facebook cancelou a conta de anúncios da candidatura de Carina, criada especificamente para impulsionar conteúdos durante o período de campanha, conforme previsto na legislação eleitoral. Segundo a assessoria de Carina, no gerenciador da referida conta, a informação oferecida era de que a conta de anúncios não estava mais disponível em virtude de “violações de política” e, ainda, que os anúncios que a página vinha veiculando “foram desativados”. A rede social, entretanto, não informa qual a violação, apesar das tentativas da assessoria jurídica da candidata de obter informações claras a respeito da decisão.

Nesta terça-feira (2), a campanha de Carina protocolou no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) uma “ação de obrigação de fazer”, com pedido de tutela antecipada (liminar), ao Facebook, para a retomada da conta de anúncios.

“É preocupante a coincidência de a conta de anúncio ter sido derrubada justamente no dia em que milhares de mulheres saíram às ruas em várias cidades do Brasil e do mundo para lutar contra o fascismo e por democracia, e no momento exato em que a minha campanha tentava impulsionar um vídeo no qual eu denunciava os ataques cibernéticos que, poucos dias antes, tinham derrubado a página do movimento Mulheres Unidas Contra Bolsonaro e conclamava meus seguidores a participarem dos protestos”, declara Carina.

Arbitrariedade

A presidenta da União da Juventude Socialista (UJS) entende que a decisão da rede social é “arbitrária”, significa “censura às minhas ideias” e “pode resultar em prejuízo à campanha”. “Sem a possibilidade de patrocinar determinadas postagens, boa parte do meu público ficará sem acesso às atividades da última semana da campanha, justamente os dias em que os eleitores mais recorrem a informações para definir seu voto. Eu me sinto muito prejudicada, porque isso interfere diretamente na justa concorrência entre candidatos que disputam comigo uma vaga à Assembleia Legislativa”.

Ao mesmo tempo, ela afirma que esse fato “fortalece mais a convicção de que a violência não é o caminho para superar a crise que o país enfrenta”, e que a união das mulheres demonstrada no amplo movimento suprapartidário que foi às ruas no dia 29 indica que “há outras formas de fazer política”. “É por isso que o Brasil precisa de mais mulheres na política e em todos os espaços de poder, mulheres que utilizem a firmeza das ideias, não a força da agressão, para defender suas propostas e seus pontos de vista”, completa.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum