Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de dezembro de 2019, 08h08

Carla Zambelli diz que é vítima de linchamento virtual promovido por bolsonarista após negar “grupo do ódio”

Zambelli pede que o blogueiro Allan dos Santos, do Terça Livre, se retrate por publicação de matéria que a acusava de "nepotismo cruzado"

Foto: Reprodução YouTube
A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) protagonizou nova briga nas redes sociais na madrugada desta segunda-feira (9). Desta vez, a deputada acusou o site Terça Livre, do blogueiro Allan dos Santos, de promover um “linchamento virtual” através da publicação de uma matéria que ela considera ser fake news.

A notícia, publicada em maio deste ano, acusava Zambelli de praticar “nepotismo cruzado” com o marido em nomeação de seu irmão, Bruno Zambelli, ao cargo de coordenador geral no Incra. “Allan dos Santos me acusou de nepotismo, promoveu um linchamento nacional, me denunciou na PGR e depois fui inocentada. O q ele fez? Uma nota de rodapé no site deles. Em nenhuma rede social, só no site”, protestou a deputada no Twitter.

“Se são contra fake News, continuo aguardando um amplo esclarecimento sobre a acusação que vocês fizeram sobre mim, do processo que foi arquivado e que enviei para vocês já alguns meses”, continuou.
O caso foi levado ao Ministério Público Federal do Distrito Federal (MPF-DF), que concluiu que não há nepotismo no caso da deputada. No entanto, Zambelli não ficou satisfeita com a retratação do site. “Peço para o Allan desfazer o linchamento que ele promoveu e vcs acham que a errada sou eu? É isso?“, escreveu.
Apesar de se dizer vítima de linchamento por um dos sites que é acusado de fake news e envolvimento na milícia virtual bolsonarista, Zambelli ironizou na CPMI das Fake News a existência do “gabinete do ódio”. Pronunciamento ocorreu no mesmo dia em que a deputada se desentendeu com Joice Hasselmann, que prestava depoimento na comissão.

Rachada com o núcleo bolsonarista, que tem entre seus principais expoentes os filhos do presidente, Joice expôs detalhes sobre como funciona a rede virtual de fake news comandada por Carlos Bolsonaro que, segundo ela, é financiada com recursos públicos.

 

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum