No rastro do óleo do Nordeste
02 de outubro de 2019, 07h44

Carla Zambelli, que se disse solidária a Janot na ameaça de morte a Gilmar, recua e diz que foi infeliz

“Apesar de defender a pena de morte para ladrão, estuprador, assassino, terrorista, pedófilo, não apoio a morte de ninguém. Quero que o Gilmar viva muito”, disse a deputada

Foto: Reprodução YouTube

A deputada Carla Zambelli, da ala mais reacionária do PSL, se arrependeu de ter publicado em seu Twitter uma mensagem de solidariedade a Rodrigo Janot, ex-Procurador-Geral da República que confessou ter levado uma arma para Suprema Corte na intenção de matar o ministro do STF Gilmar Mendes.

A deputada federal afirma que foi “mal interpretada” e “infeliz” em sua postagem no Twitter.

“Minha solidariedade ao ex PGR. Gilmar Mendes sempre teve pouco escrúpulo”, havia escrito a parlamentar na rede social.

A deputada disse, em entrevista à Veja, que sua solidariedade se dava ao fato de Janot ter relatado na entrevista que teve a reação depois de um suposto ataque de Gilmar Mendes à sua filha – e não com a ideia do ex-procurador-geral de matar o ministro do STF.

“Quando mexe com família é um negócio complicado, porque eu tenho sido vítima disso, sei o que é mexer com a nossa família sem a gente estar implicado de nenhuma maneira. Quando eu falei de minha solidariedade, não foi, obviamente, solidariedade com ele ter pensado em matar o Gilmar. Foi ao fato de Gilmar não ter atacado o fato, mas sim as pessoas, como ele sempre faz. Acho que deu dupla interpretação a forma como eu postei, fui infeliz na forma de escrever o tuíte, as pessoas não entenderam”, afirma.

Carla Zambelli disse que temia por uma reação do STF à sua publicação, se interpretada como incitação à morte de um ministro do Supremo. “Apesar de defender a pena de morte para ladrão, estuprador, assassino, terrorista, pedófilo, não apoio a morte de ninguém. Quero que o Gilmar viva muito. O STF não mede esforços para derrubar pessoas como eu, que estou sozinha, não sou líder de governo, não estou na executiva do PSL, sou só uma deputada”, afirma.

Carla afirmou também que “sentir vontade não é crime”. “Não é que ele tenha tentado matar o Gilmar, tenha feito uma emboscada para o Gilmar, ele pensou e teve vontade, o que não é crime”, pondera.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum