Cármen Lúcia nega pedido de Haddad para obrigar Lira a analisar impeachment

Ministra do STF avalia que presidente da Câmara não é omisso em deixar engavetados mais de 120 pedidos de impeachment contra o titular do Planalto

A ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF), rejeitou nesta quarta-feira (21) um mandado de segurança protocolado em junho pelos petistas Fernando Haddad e Rui Falcão que trata sobre o impeachment de Jair Bolsonaro.

No mandado, Haddad e Falcão pediam para que o STF obrigasse o presidente da Câmara, Arthur Lira, a analisar um dos mais de 120 pedidos de impeachment já protocolados na Casa.

Para Cármen Lúcia, no entanto, Lira não está sendo omisso ao ignorar a demanda pelo afastamento do presidente.

“Sem comprovação dos requisitos constitucionais e legais para o seu processamento válido não há como dar seguimento regular ao presente mandado de segurança, faltante demonstração de direito subjetivo, líquido e certo dos impetrantes ao comportamento buscado e a ser imposto e de ato omissivo da autoridade apontada como coatora”, escreveu a ministra.

Vice de Lira vai no caminho contrário

A pressão pela abertura de um dos mais de 120 pedidos de impeachment protocolados na Câmara contra o presidente Jair Bolsonaro ganhou novo impulso.

O vice-presidente da Casa, Marcelo Ramos (PL-AM), após ser atacado por Bolsonaro, subiu o tom nas críticas ao mandatário e pediu a Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara, acesso a todas as peças de impeachment.

Ele ainda afirmou que já enxerga crimes consistentes do titular do Planalto.

Mesmo sem retorno de Lira sobre o acesso às peças, Ramos recebeu da oposição uma cópia do “superpedido” de impeachment apresentado em junho.

“São 21 imputações de crime de responsabilidade e algumas delas, numa primeira leitura, parecem bem consistentes”, tuitou o parlamentar nesta terça-feira (20).

À Folha de S. Paulo, Ramos disse ainda que estuda aval para abrir um dos pedidos de impeachment contra Bolsonaro se assumir a presidência da Câmara como interino.

“Tem duas questões importantes. A primeira questão é de natureza estritamente jurídica: se existem os fundamentos que caracterizam crime de responsabilidade. Essa é uma questão”, disse.

“A segunda questão tem natureza jurídica e política, que é se cabe no exercício provisório da presidência da Câmara acatar ou não um impeachment. Estou analisando as duas coisas”, completou.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR