Fórumcast, o podcast da Fórum
05 de julho de 2017, 17h06

Cármen Lúcia recebe Eduardo Bolsonaro e deputados que querem armar o Brasil

A bancada da bala se reuniu com a presidenta do STF para pedir uma regulamentação que facilite a venda de armas no país. Para Bolsonaro, o cidadão precisa ter arma em casa para “passar o recado para o bandido” 

Por Redação 

Quatro deputados da chamada “bancada da bala” se reuniram, nesta quarta-feira (5), com Cármen Lúcia, presidenta do Supremo Tribunal Federal (STF), para pedir uma regulamentação que facilite a venda de armas de fogo para a população. Fizeram parte do encontro, que durou 15 minutos, os deputados José Rocha (PR-BA), Laudívio Carvalho (SD-MG), Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) e Magda Mofatto (PR-GO).

Os parlamentares, que são contra o Estatuto do Desarmamento – aprovado em 2003 e que, de acordo com estudos, poupou milhares de vidas de lá para cá – discutiram com a ministra do STF o recurso apresentado por eles à Corte em 29 de junho alegando que os poderes Legislativo e Executivo se omitiram ao não disciplinar a forma de comercialização de armas de fogo e munição no Brasil.

Veja também:  Eduardo Bolsonaro sobre ação de sniper: "Uma grande atuação em prol dos direitos humanos"

De acordo com Eduardo Bolsonaro, que gravou um vídeo após a reunião, Cármen Lúcia se comprometeu a estudar o processo. Eles querem que o STF obrigue os outros poderes a regulamentar a venda de armas ao cidadão comum.

Para Bolsonaro, por exemplo, os índices de criminalidade nos anos 80 “não foram tão altos” pois, naquela época, os “bandidos” não tinham tantos “direitos” como eles têm atualmente e que o cidadão armado passaria “um recado ao ladrão”.

Confira o que ele disse.

*Com informações do Poder 360


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum