Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
22 de janeiro de 2020, 09h05

Cartório faz propaganda para captar assinaturas para partido de Bolsonaro

O que aconteceu no Pará vai muito além de uma gestão cartorial. Trata-se mesmo de um ato partidário com cartazes, camisetas, banners e militância

Foto: Reprodução

O 4º Ofício de Notas da Comarca de Belém (Cartório Canduru), no Pará, foi sede, na última sexta-feira (17), de um evento do novo partido do presidente Jair Bolsonaro, o Aliança pelo Brasil.

Na fachada estavam os dizeres: “Apoie o Aliança pelo Brasil”. Na parte de dentro, ao lado do guichê de atendimento, um grupo uniformizado distribuía as fichas de apoio e auxiliava os interessados em preenchê-las. Toda a movimentação foi registrada em fotos, vídeos e confirmada à reportagem por testemunhas.

Desde o fim do ano passado, cartórios de todo o Brasil estão autenticando assinaturas necessárias à criação da sigla. Além de reconhecer firma, os cartórios têm guardado essas fichas e repassado para representantes credenciados do partido.

Esse acordo nasceu sob orientação do Colégio Notarial do Brasil, entidade privada que representa 9.000 cartórios em 24 estados brasileiros. O procedimento custa entre 10 e 20 reais.

Ato notarial

Os cartórios de notas são concessões públicas e, por isso, não podem exercer atividades político-partidárias. O corregedor do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), Humberto Martins, negou nesta quinta-feira (16) uma liminar apresentada pelos partidos PT, PSB, PDT, PSOL e PCdoB que tinha como objetivo impedir que cartórios colham assinaturas para a formação do partido do presidente Jair Bolsonaro, Aliança Pelo Brasil (APB).

“É facultado aos tabeliães de notas realizar todas as gestões e diligências necessárias ou convenientes ao preparo dos atos notariais, requerendo o que couber, sem ônus maiores que os emolumentos devidos pelo ato”, disse Martins em decisão. Segundo ele, nada impede a ação.

Ato partidário

Foto: Reprodução

O que aconteceu no Pará – e também em diversos cartórios de todo o país – vai muito além de uma “gestão ou diligência necessária ao preparo de atos notoriais”. Trata-se mesmo de um ato partidário com cartazes, camisetas, banners e militância.

A iniciativa foi promovida por um grupo chamado Endireita Pará. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, a líder do movimento, Renata Karla, elogia o “super suporte” do cartório local, e completa: “O pessoal foi super receptivo”. O movimento anunciou outros dois mutirões no mesmo cartório, programados para os dias 24 e 31 de janeiro.

O estatuto do Colégio Notarial do Brasil afirma que “é vedado ao CNB participar, apoiar ou difundir, ativa ou passivamente, quaisquer manifestações de caráter político”.

Diante das controvérsias, a entidade sustenta que a orientação é apartidária e pode ser utilizada no futuro por outros partidos. “O serviço (…) é rigorosamente o mesmo oferecido para todas as pessoas e entidades, nas mesmas condições, pelos mesmos valores, sem qualquer distinção”, diz, em nota oficial.

Procurado, o Conselho Nacional de Justiça informou em nota que abriu um prazo para que os cartórios se expliquem, e que “qualquer outra medida” só será tomada em fevereiro, quando o ministro Martins volta ao trabalho.

Com informações da Carta Capital


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum