Entrevista exclusiva com Lula
30 de abril de 2019, 08h17

Chanceler de Bolsonaro afirma em Washington que destituição de Maduro “seria realmente extraordinário”

"Mas é preciso ser prudente e não esperar demais nesse momento”, disse ainda Ernesto Araújo

Ernesto Araújo, Ministro de Relações Exteriores (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, afirmou durante visita aos EUA, nesta segunda-feira (29), que é preciso manter a pressão diplomática sobre o regime de Nicolás Maduro, mas mostrou cautela ao discutir prazos para a possível destituição do ditador da Venezuela.

“Precisamos ser prudentes porque, desde janeiro, temos a expectativa de que o processo de transição democrática se complemente e aconteça a partir da ascensão do presidente Guaidó. A esperança é sempre muito presente de que essa extraordinária mobilização popular que está havendo na Venezuela se consolide e que haja realmente o recomeço da democracia”, disse Araújo após reunião com o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

“Mas é preciso ser prudente e não esperar demais nesse momento. Se for nesses dias [a destituição de Maduro], seria realmente extraordinário”, completou.

Esta é a terceira vez que o chanceler brasileiro viaja a Washington desde o início do governo de Jair Bolsonaro. Nesta segunda, além de Pompeo, Araújo foi recebido —a seu pedido—  pelo secretário de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton.

Após o encontro com Pompeo, Araújo seguiu para a Casa Branca onde se reuniu com Bolton. Segundo o chanceler, a situação na Venezuela “é muito volátil” e, por isso, “é importante estar conversando permanentemente” sobre o assunto.

“Há esse fato novo, a mobilização convocada para 1º de Maio, há expectativa sobre isso, então, quer dizer, não mudou o ponto central que é nosso compromisso pelo fim do regime Maduro”.

“Operação Liberdade”

Autoproclamado presidente da Venezuela com o apoio de Donald Trump e Jair Bolsonaro, Juan Guaidó afirmou na manhã desta terça-feira (30) que está reunido com as “Forças Armadas iniciando a fase final da ‘operação liberdade’”.

“Povo da Venezuela, foi dado início ao fim da usurpação. Neste momento me encontro as principais unidades militares das nossas Forças Armadas dando início a fase final da Operação Liberdade”, tuitou, em uma sequência.

Guaidó ainda convocou a população para ir às ruas para “consolidar o fim da usurpação que já é irreversível”.

“As forças armadas nacionais fizeram a decisão certa, eles têm o apoio do povo venezuelano, com o endosso de nossa Constituição, com a garantia de estar do lado direito da história. Para implantar as forças para alcançar a cessação da usurpação”, tuitou na sequência.

Com informações da Folha


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum