Corregedor do CNMP reforça pedido de demissão procuradores da Lava Jato

Julgamento foi interrompido após pedido de vista de um dos conselheiros

Rinaldo Reis Lima, corregedor nacional do CNMP, reforçou pedido de demissão de onze procuradores que integraram a força-tarefa da Operação Lava Jato do Rio de Janeiro. Os procuradores são acusados por suposta quebra de sigilo na apuração de caso envolvendo os ex-senadores Romero Jucá e Edison Lobão.

Reis Lima determinou a abertura do processo contra os procuradores da Lava Jato e solicitou, no CNMP, a demissão dos acusados. Ele rejeitou a adoção apenas uma suspensão.

“Verifiquei que não é o momento de propor a pena de suspensão, pois decorre de conversão da aplicação da pena de demissão. Em sendo procedente, referendado o PAD, aplica-se a pena de demissão, e aí com a possibilidade de o plenário converter em suspensão, por força do parágrafo 5o do artigo 240”, disse no julgamento.

Os procuradores da Lava Jato do Rio implicados no caso são: Eduardo El Hage, Fabiana Schneider, Marisa Ferrari, José Vagos, Gabriela Câmara, Sérgio Pinel, Rodrigo Silva, Stanley Silva, Felipe Leite, Renata Baptista e Tiago Martins.

O plenário do CNMP é que dará a palavra final sobre punir ou não os procuradores. A sessão está sendo exibida no canal do conselho no Youtube.

O conselheiro Silvio Roberto Oliveira de Amorim Junior pediu vistas do processo e prometeu entregar parecer até a próxima sessão. O procurador-geral da República (PGR), Augusto Aras, chegou a permitir que que outros membros do CNMP antecipassem votos, mas decidiram aguardar.

Com informações de Plantão Brasil e O Antagonista

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR