Com arma na mão, Roberto Jefferson ameaça “comunistas” e manda Bolsonaro promover golpe de Estado

Antigo líder da tropa de choque de Collor e condenado no mensalão, Jefferson reapareceu em meio à negociação de cargos de Bolsonaro com o centrão e tem estimulado uma revolta armada em defesa do presidente

O ex-deputado federal Roberto Jefferson, presidente nacional do PTB, foi ao Twitter na manhã deste sábado (9) para pregar um golpe de Estado e ameaçar opositores do presidente Jair Bolsonaro.

Líder da tropa de choque de Fernando Collor e personagem central do mensalão, ação penal em que foi condenado por corrupção, Jefferson reapareceu como um apoiador radical de Bolsonaro, nas últimas semanas, em meio às negociações do presidente com o centrão do Congresso para distribuir cargos, no famoso toma lá, da cá, com o intuito de formar uma base e, assim, se livrar de um processo de impeachment.

“Bolsonaro, para atender o povo e tomar as rédeas do governo, precisa de duas atitudes inadiáveis: demitir e substituir os 11 ministros do STF, herança maldita. Precisa cassar, agora, todas as concessões de rádio e TV das empresas concessionárias GLOBO. Se não fizer, cai”, tuitou o ex-parlamentar, em uma clara sinalização a um golpe de Estado.

Em outra postagem, Jefferson publicou uma foto com uma arma na mão, afirmando que vai combater “comunistas”. “Estou me preparando para combater o bom combate. Contra o comunismo, contra a ditadura, contra a tirania, contra os traidores, contra os vendilhões da Pátria. Brasil acima de tudo. Deus acima de todos”, escreveu.

https://twitter.com/blogdojefferson/status/1259084784694943751

A declaração de Roberto Jefferson vem em meio à organização de um grupo para-militar bolsonarista que está acampado em Brasília e que prega, além do fechamento do STF, o “extermínio da esquerda”, o fim da corrupção e o respeito à soberania nacional. Uma das líderes do grupo é Sara Winter, “ex-feminista” que defende bandeiras neonazistas.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.