Fórumcast #19
15 de julho de 2019, 10h18

Com bloqueio de verbas, universidades federais cancelam bolsas, suspendem transportes e fecham restaurantes

O corte de 35% dos recursos de custeio decretado pelo governo Jair Bolsonaro no início de maio já causa reflexo na vida de estudantes e na infraestrutura das universidades federais, que encontram dificuldades até mesmo para pagamento de contas de água e luz

Abraham Weintraub (Foto: Reprodução)

O corte de 35% das verbas de custeio decretado pelo governo Jair Bolsonaro no início de maio já causa reflexo na vida de estudantes e na infraestrutura das universidades federais, que encontram dificuldades até mesmo para pagamento de contas de água e luz.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Reportagem de Júlia Marques, Tulio Kruse e Fábio Bispo, no jornal O Estado de S.Paulo desta segunda-feira (15), mostra que o bloqueio dos recursos feito pelo ministro Abraham Weintraub tem causado dificuldades para as instituições pagarem funcionários nas áreas de segurança e limpeza.

A Universidade Federal do Paraná (UFPR) suspendeu o programa de intercâmbio dos alunos e restringiu viagens viagens para cidades a mais 300 km de distância. Neste mês, os serviços do restaurante universitário foram suspensos.

A Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) está revendo contratos com terceirizadas e suspendeu passagens e diárias para cursos e eventos, a não ser em casos extremos. Em junho, a universidade anunciou a suspensão dos programas de mobilidade internacional por causa do contingenciamento. Intercâmbios para o ano de 2020 também não serão liberados até que os bloqueios sejam revistos.

Veja também:  Bolsonaro critica polêmica sobre a avó de Michelle e diz que "parente bom é parente longe"

Na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) três ônibus que faziam o trajeto entre as unidades de Diadema quebraram e a frota não foi recomposta. Audiências públicas serão realizadas pela universidade em agosto para informar estudantes e professores sobre o impacto dos cortes.

Na Universidade Federal de Goiás (UFG), há incômodo com a infraestrutura. Sem poda, o mato alto cria insegurança e a redução de vigias aumenta o risco de furtos. A UFG admite atrasos no pagamento de prestadores de serviço e, para economizar, recomendou até desligar o ar-condicionado durante a manhã e à noite.

Leia a reportagem na íntegra


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum