Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
25 de dezembro de 2019, 19h35

Com “internet intermitente”, Weintraub faz nova postagem para justificar crítica a Bolsonaro

Weintraub tentou se justificar por mensagem que dizia que Bolsonaro era um "traidor"

Bolsonaro e Abraham Weintraub (Foto: Valter Campanato/Agência Brasil)

Depois de seu irmão tentar abafar a crítica compartilhada contra o presidente Jair Bolsonaro, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, fez uma postagem tentando se explicar pelo erro. Segundo ele, a internet estava “intermitente” e o RT dado em uma mensagem que dizia que o presidente era um “traidor” foi “sem querer”.

“Estou em viagem, em um navio, com internet intermitente. Fico horas sem internet. Dei RT sem querer em um post. Evidentemente que foi um erro”, disse o ministro ao tentar se justificar.

Colocado por Bolsonaro como um dos ministros do seu “pelotão de frente”, o ministro compartilhou uma mensagem que criticava a sanção presidencial ao texto do pacote anticrime que prevê a a criação do juiz de garantias,

A postagem, feita pelo youtuber Nando Moura e replicada pelo ministro foi a seguinte: “Bolsonaro ao sancionar a emenda do FREIXO traiu não só o ministro Sérgio Moro mas TODO o povo brasileiro. Não existe mais nenhuma justiça neste país”. O autor da publicação foi o youtuber Nando Moura.

Flagra

O retuíte foi flagrado pelo presidente da UNE, Iago Montalvão. “Pega essa bomba! Ministro da Educação retuitando um YouTuber que diz que Bolsonaro é um traidor. O negócio tá feio! Crise no governo!”, publicou. A Fórum, então, foi verificar se a postagem constava no perfil do ministro e confirmou o retuíte.

Minutos após a postagem de Montalvão, o ministro apagou a republicação. Weintraub está de férias e, segundo especulações dos bastidores, ele não voltará para o posto em janeiro.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum