Fórumcast #20
06 de outubro de 2017, 15h18

Comitê Olímpico Brasileiro é suspenso após prisão de Nuzman

Medida é provisória e atende decisão do Comitê Olímpico Internacional, depois da detenção do dirigente suspeito de intermediar compra de votos para escolha da Rio 2016.

Medida é provisória e atende decisão do Comitê Olímpico Internacional, depois da detenção do dirigente suspeito de intermediar compra de votos para escolha da Rio 2016.

Da Redação*

Depois da prisão do seu presidente, Carlos Arthur Nuzman, suspeito de intermediar a compra de votos para garantir a sede dos Jogos Olímpicos de 2016 para o Rio de Janeiro, o Comitês Olímpico Brasileiro (COB) foi suspenso provisoriamente pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). A entidade máxima também suspendeu Nuzman de todas as suas funções e direitos de membro honorário e o excluiu da comissão de coordenação dos Jogos de Tóquio-2020. A punição, segundo o comitê, não afetará os atletas brasileiros.

Nuzman é suspeito de intermediar a compra de votos de integrantes do COI para a eleição do Rio como sede da Olimpíada de 2016. Ele foi preso em casa, no Leblon. O dirigente é presidente do COB há 22 anos. O pedido de prisão temporária foi decretado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal. De acordo com a defesa de Nuzman, a medida adotada de prisão foi dura. “É uma medida dura e não é usual dentro do devido processo legal”, afirmou Nélio Machado.

Veja também:  Vídeo: Sniper de Witzel mata homem que fez reféns em ônibus no Rio com arma de brinquedo

Nuzman e Gryner teriam pago mais de U$ 2,7 milhões a membros africanos do Comitê Olímpico Internacional (COI) em troca da escolha da Rio-2016. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), Nuzman ainda tentou regularizar, junto à Receita Federal, valores em espécie e 16 quilos de ouro que estariam em um cofre na Suíça, logo depois da primeira fase da operação “Unfair Play”.

*Com informações do G1

 Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil/Fotos Públicas

 

 

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum