Fórum Educação
23 de janeiro de 2020, 19h28

Como Bolsonaro armou a recriação de Ministério da Segurança Pública para tirar poder de Moro

Informação do editor da Fórum em seu blogue de que Bolsonaro não engoliu a forma como Moro se apresentou no Roda Viva acaba de ser confirmada

Foto: Carolina Antunes/PR

O repórter Igor Gielow, da Folha de S. Paulo, acaba de confirmar a informação do editor da Fórum em seu blogue de que Bolsonaro não engoliu a forma como Moro se apresentou no Roda Viva e o fato de ele não ter aceitado assinar documento de que não será candidato a presidência da República em 2022.

Gielow diz que o pedido de recriação do Ministério da Segurança Pública foi articulado com o presidente Jair Bolsonaro antes de sua reunião com secretários estaduais do setor, ocorrida na quarta-feira (22).

O colegiado que reúne os secretários tinha reunião marcada para às 9h da quarta, em Brasília. A recriação da pasta não constava da pauta.

Duas horas antes do encontro, porém, o secretário de Segurança do Distrito Federal, Anderson Gustavo Torres, foi recebido por Bolsonaro no Planalto.

Na sequência, informou ao presidente do Conselho e ao secretário baiano Maurício Teles Barbosa que haveria a possibilidade de encontrar Bolsonaro naquela tarde e que o tema da reunião seria a recriação da pasta — que estava sob a guarda do Ministério da Justiça, de Moro.

Os secretários e seus representantes presentes teriam estranhado, segundo Gielow. Foi feita uma votação e o pedido passou, mas no limite. Foram 11 votos a favor da confecção do pedido de recriação e 9 contrários.

Apesar do quase empate e de estados importantes, como São Paulo, terem se posicionado de forma contrária à divisão, bastou para que Bolsonaro já divulgasse isso quase como uma “ordem” do colegiado.

Gielow confirma que a “desculpa” de Bolsonaro é a desaprovação da entrevista do ministro no programa Roda Viva (TV Cultura), onde ele não teria sido enfático na defesa do chefe ante críticas de jornalistas.

Se o ministério da Segurança Pública for recriado, a Polícia Federal e outras estruturas automaticamente saem do controle de Moro, como a PF que acompanha investigações politicamente sensíveis, como a de Flávio Bolsonaro e a do assassinato da vereadora Marielle Franco e seu motorista Anderson Gomes.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum