Condução coercitiva: PF bateu na porta de Carlos Wizard para levá-lo obrigado à CPI

Empresário bolsonarista, no entanto, está nos Estados Unidos e deve ter seu passaporte apreendido assim que retornar ao Brasil

Nesta quinta-feira (17), data em que estava marcado o depoimento do bolsonarista Carlos Wizard à CPI do Genocídio, equipes da Polícia Federal tentaram cumprir uma ordem judicial de condução coercitiva e foram até a casa do empresário, em Campinas (SP), para levá-lo obrigado à comissão. A condução coercitiva havia sido autorizada pela juíza federal Márcia Souza e Silva de Oliveira, da 1ª Vara Federal de Campinas, a pedido da CPI.

O relatório da PF, divulgado nesta sexta-feira (18), aponta que Wizard não foi localizado. Os policiais tocaram o interfone de seu prédio e ninguém atendeu e, quando já estavam deixando o local, um funcionário da casa do empresário teria afirmado que que não o vê “há bastante tempo”.

Não à toa. Já era de conhecimento público que, em março, Wizard foi para os Estados Unidos e permanece lá até agora. Para evitar depor à CPI, ele chegou a alegar, através dos advogados, que não está com seu passaporte em mãos.

Notícias relacionadas

A CPI do Genocídio já pediu à Justiça que o passaporte de Wizard seja apreendido assim que ele retornar ao Brasil.

Lembrete

Citado por outros depoentes da CPI e apontado como um dos integrantes do chamado “gabinete paralelo” que abasteceu Jair Bolsonaro com orientações anticientíficas, Wizard, além de ter sido convocado, teve seus sigilos quebrados a pedido da comissão. O empresário, no entanto, não respondeu às notificações.

Na última segunda-feira (14), o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), diante do silêncio de Wizard, resolveu entrar em uma live do empresário para lembrá-lo da convocação para prestar depoimento ao colegiado.

“Olá, Sr. Carlos Wizard. Vim lembrar vc do seu compromisso na próxima quinta (17), na CPI da Covid. P/ facilitar: a CPI está sendo realizada no Senado, no Anexo II, ala Sen. Alexandre Costa, Plenário 3”, escreveu Randolfe no espaço de comentários da transmissão ao vivo que contou com a participação de Wizard.

Publicidade

Publicidade
Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR