Contaminação de Lula se deu provavelmente no voo para Cuba, diz Padilha

O escritor Fernando Morais, que integrava a comitiva do ex-presidente, ficou 14 dias internado e precisou receber oxigênio

Em entrevista ao Fórum Café, nesta sexta-feira (22), o médico e deputado federal Alexandre Padilha (PT-SP) contou que a contaminação do ex-presidente Lula por Covid-19 provavelmente ocorreu no voo para Cuba.

O petista estava na ilha caribenha desde dezembro para a gravação de um documentário do diretor Oliver Stone. Ele voltou ao Brasil nesta quinta-feira (21) após visitar o presidente Miguel Díaz-Canel e o ex-presidente Raúl Castro.

A comitiva do ex-presidente durante a viagem a Cuba contava com nove pessoas, dentre elas o escritor Fernando Morais, que também se contaminou com a doença e precisou ficar internado por 14 dias na ilha, recebendo oxigênio.

“Eles foram em um avião do próprio documentário. Pelo momento do diagnóstico,, tudo indica que a infecção aconteceu no aeroporto, antes de embarcar, ou dentro do avião, já que são mais de oito horas juntos”, contou Padilha.

“O primeiro teste deu negativo, mas quatro dias depois deu positivo. E foram repetindo os testes […]. Embora Lula tenha tido lesão pulmonar, ele o tempo todo esteve bem, não precisou ficar internado”, completou.

Padilha conta que o ex-presidente “está muito agradecido” com o sistema de saúde de Cuba. “Eu falei para ele, ‘você pode ter tranquilidade, vocês estão em um lugar que está lidando bem com a pandemia'”, lembra.

Todos os nove membros da comitiva, exceto a jornalista Nicole Briones, tiveram diagnóstico positivo para a Covid-19 durante a estadia cubana. Todos permaneceram em isolamento e sob vigilância sanitária, respeitando os protocolos do sistema de saúde do país.

Segundo o deputado, Lula assegurou a ele que continuará seguindo os protocolos sanitários contra a doença e que está esperando para se vacinar.

Publicidade

Confira a entrevista completa:

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.