O que o brasileiro pensa?
04 de julho de 2018, 08h28

Coordenação de campanha de Lula é apresentada em Brasília

Os nomes foram indicados por Lula e aprovados pela Executiva Nacional do PT, que se reuniu, nesta terça-feira, em Brasília

O Partido dos Trabalhadores (PT) começou a montar a estrutura de campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Planalto nas eleições 2018.

No comando do programa de governo está o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad. O coordenador-geral da campanha será o ex-presidente da Petrobrás, José Sergio Gabrielli, e o ex-ministro Ricardo Berzoini ficará responsável pelas finanças. Integram ainda o comando de campanha o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, e os ex-ministros Luiz Dulci e Gilberto Carvalho.

Os nomes foram indicados por Lula e a Executiva Nacional do PT se reuniu, nesta terça-feira (3), em Brasília, e aprovou a coordenação da campanha. A senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidente da sigla, leu na ocasião uma carta escrita por Lula com críticas ao relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, e ao juiz Sérgio Moro.

“Já não há razões para acreditar que terei Justiça”, escreveu Lula. “Se não querem que eu seja presidente, a forma mais simples de o conseguir é ter a coragem de praticar a democracia e me derrotar nas urnas”, completou. Para Lula, o seu processo foi permeado por “manobras” para tirá-lo do páreo.

Distância “irreconciliável” de Ciro Gomes

Coordenador financeiro da campanha petista, Berzoini disse ao Estado que o PT não fará aliança com Ciro Gomes (PDT) porque ele adotou um programa com “posições privatistas”. Afirmou, ainda, haver hoje uma distância “irreconciliável” com o pré-candidato do PDT, que foi ministro da Integração Nacional no governo Lula. “O problema não é com Ciro, mas com certas linhas programáticas adotadas por ele, como, por exemplo, em relação à Previdência Social”, argumentou.

“Diferentemente da última eleição, nosso programa tem nitidez à esquerda. E é importante que a esquerda dialogue sobre o que está acontecendo no País e o que significa construir consensos, tanto sobre o candidato como em relação à questão programática”, afirmou Berzoini, também fazendo um aceno ao PCdoB e a Manuela d’Ávila.

Com informações do Estadão

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum