Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
29 de abril de 2019, 08h35

Coordenador da campanha de Bolsonaro, deputado quer acabar com Ouvidoria da polícia em SP: Grupelho de esquerdistas

Abuso praticado por superiores é a maior queixa registrada por PMs na ouvidoria. As denúncias vão de escolta forçada dos chefes em missas a pagamentos do próprio bolso no reparo de viaturas

Frederico D'Ávilla com Bolsonaro e Eduardo Bolsonaro durante a campanha (Reprodução)

Eleito deputado estadual pelo PSL/SP, o coordenador da campanha de Jair Bolsonaro junto aos ruralistas, Frederico D’Ávila, da Sociedade Rural Brasileira, apresentou um projeto de lei complementar para extinguir a Ouvidoria de Polícia Civil e Militar do estado de São Paulo.

Segundo reportagem do jornal Agora São Paulo desta segunda-feira (29), o deputado diz que o órgão “é um grupelho aparelhado de partidos de esquerda”. O ouvidor Mariano chama o projeto de retrocesso. “Cabe à ouvidoria, a partir de um olhar mais amplo da segurança pública e das demandas de população, fazer recomendações e propostas, além de receber denúncias de policiais.”

Durante a eleição, Frederico provocou a então candidata a vice na chapa de Fernando Haddad, Manuela D’Ávilla ao atuar como “entrevistador convidado” no programa Roda Viva, da TV Cultura. Na ocasião, o ruralista disse que o “fascismo é de esquerda”. Manuela não deixou barato: “Tu entendes de regimes antidemocráticos sendo coordenador do Bolsonaro”.

Abusos de superiores
Segundo o Agora São Paulo, o abuso praticado por superiores é a maior queixa registrada por PMs na ouvidoria de São Paulo. As denúncias vão de escolta forçada dos chefes em missas a pagamentos do próprio bolso no reparo de viaturas.

Entre 2015 e março deste ano, policiais militares encaminharam à Ouvidoria das Polícias 1.241 denúncias sobre abusos sofridos, dentro da corporação. Isso representa quase 97% do total de 1.283 acusações feitas por policiais, incluindo Civis (42) ao órgão durante o período.

As principais denúncias, mais entre 2015 e março deste ano, foram de abusos na escala de trabalho (44%), constrangimentos e humilhações (15%), além de abusos, perseguições e ameaças de transferência (11%).

Leia reportagem do Agora na íntegra


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum