CPI pede condução coercitiva de Carlos Wizard após empresário ignorar notificação

Integrante do chamado "gabinete paralelo", Wizard teria fugido para os Estados Unidos

A CPI do Genocídio decidiu pedir a condução coercitiva do empresário Carlos Wizard após ele ignorar a notificações de convocação feitas pela comissão. Wizard é apontado como um dos integrantes do chamado “gabinete paralelo” que orientou o presidente Jair Bolsonaro a seguir rumos anticientíficos.

Notícias relacionadas

Em entrevista à jornalista Basília Rodrigues, da CNN Brasil, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI, informou que “o paradeiro de Wizard é desconhecido e incerto. Ele sumiu”. Esse sumiço levou ao pedido de condução coercitiva.

Há a possibilidade de Wizard ter ido aos Estados Unidos para evitar o depoimento. “Se estiver no exterior mesmo, a PF vai esperá-lo no aeroporto”, declarou Randolfe à CNN.

O depoimento de Wizard está previsto para a próxima semana. O empresário é um dos alvos da quebras de sigilo determinadas nesta quarta-feira (10).

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e latino-americanista convicto, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum América Latina