CPI da Prevent: Deputado da Alesp consegue assinaturas para protocolar comissão

Paulo Fiorilo (PT) reuniu 36 adesões para instaurar uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Assembleia de SP que investigue o escândalo macabro do plano de saúde bolsonarista

O deputado estadual paulista Paulo Fiorilo (PT) conseguiu juntar 36 assinaturas para protocolar um pedido de abertura de CPI que investigue o plano de saúde Prevent Senior, acusado de promover experimentos macabros com idosos que foram internados com Covid-19 durante o auge da pandemia.

Médicos que trabalharam na empresa a acusam de ter tratado pacientes com cloroquina e outros medicamentos sem eficácia contra o Sars-Cov-2, o que teria provocado até mortes, com o intuito de promover a falsa ideia de que o tal “tratamento precoce” funcionava, agradando o governo de Jair Bolsonaro.

O número mínimo de assinaturas para protocolar um pedido de abertura de CPI no parlamento estadual paulista é de 32. Agora, caberá ao presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Carlão Pignatari (PSDB), acatar ou não a solicitação.

“É dever do Legislativo de agir, através de seu poder de investigação, mediante denúncias tão graves envolvendo uma empresa sediada no estado, que colocou em risco a vida daqueles que moram no estado de São Paulo”, disse Fiorilo.

O parlamentar ressaltou ainda que uma CPI na Alesp teria apenas a finalidade de apurar crimes contra a saúde pública supostamente cometidos pela Prevent Senior no estado, diferentemente do foco da CPI do Genocídio, que corre no Senado Federal, incumbida de analisar outros aspectos, como o mau uso de dinheiro público no enfrentamento à Covid-19.

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR