CPI: Renan Calheiros adia para outubro entrega do relatório final

A comissão deve ouvir novamente o ministro Marcelo Queiroga e explorar ainda mais os escândalos da Prevent Senior e da Precisa

Dias após reforçar que o relatório final da CPI do Genocídio estará pronto ainda esta semana, o senador Renan Calheiros afirmou que a apresentação será apenas em outubro. Senadores vinham pressionando para novos depoimentos envolvendo os escândalos da Precisa Medicamentos e da Prevent Sênior.

“Senadores querem novos depoimentos, principalmente com as novidades trazidas sobre a Prevent Sênior e a Precisa. Então, o meu relatório, que está quase pronto, será apresentado após o último depoimento da CPI, em outubro”, disse Renan Calheiros ao jornalista Valdo Cruz, da GloboNews.

O relator da CPI destacou que o ministro Marcelo Queiroga deve ser um dos ouvidos após atender ao presidente Jair Bolsonaro e suspender a vacinação de adolescentes sem comorbidades. O governo usou argumento falacioso e teria se baseado em influenciadores de extrema-direita.

Em entrevista ao Programão da FórumRandolfe Rodrigues (Rede-AP), vice da CPI já havia sinalizado que a comissão duraria mais tempo. “Vamos parar de fazer conta, de aperreio. A gente vai acabar a CPI quando tiver que acabar a CPI”, afirmou Randolfe à jornalista Cynara Menezes, Programão da Fórum, na sexta-feira.

“O caso do TrateCov era para nós o caso mais escandaloso de crise de lesa-humanidade que podíamos encontrar, aí veio para nós agora o caso da Prevent Sênior”, disse ainda.

Notícias relacionadas

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR