CPI vai incluir no relatório final fake news de Bolsonaro sobre Aids e vacina

Para o vice-presidente da comissão, Randolfe Rodrigues, a associação mentirosa feita pelo presidente configura crime e é motivo para prisão preventiva

Randolfe Rodrigues (Rede), vice-presidente da CPI da Covid-19, afirmou ao UOL na manhã desta segunda-feira (25) que será incluída no relatório final a informação mentirosa dita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de que “pessoas totalmente imunizadas com a vacina da Covid-19 estão desenvolvendo Aids”.

A comissão vai encaminhar um ofício ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes pedindo que a frase seja incluída no inquérito das fake news.

“A reiteração de crime do presidente da República será acrescentada ao relatório, sem dúvida nenhuma, além da providência que estamos fazendo da comunicação ao ministro Alexandre de Moraes”, disse Randolfe.

“A primeira providência vai ser a comunicação do fato, do crime estar sendo reiterado. A partir daí, obviamente a CPI pode indicar sugestões de providências a serem tomadas”, continuou.

O requerimento foi apresentado ontem pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-RS), que aponta que Bolsonaro cometeu crime flagrante ao disseminar fake news sobre as vacinas durante a sua live na última quinta-feira (21).

Notícias relacionadas

Na avaliação de Randolfe, a associação mentirosa entre o HIV e a vacina feita pelo presidente é crime e motivo para prisão preventiva. Para ele, se Bolsonaro não estivesse no cargo de presidente, poderia ter sido preso.

“Temos que ter consciência de lidar com esse delinquente. Esse delinquente permanece na Presidência da República sobre os auspícios e cumplicidade do presidente da Câmara dos Deputados [Arthur Lira], e a esta altura também da Procuradoria-Geral da República, que não repele este tipo de comportamento”, afirmou o senador.

O Facebook e o Instagram derrubaram na noite deste domingo (24) a live em que Bolsonaro espalhou a fake news. “Nossas políticas não permitem alegações de que as vacinas de Covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas”, afirmou o porta-voz das redes sociais.

Publicidade

Para Randolfe, Bolsonaro deveria ter sido banido das redes sociais assim como o ex-presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Lamentavelmente este tipo de prática reiterada e criminosa, no Brasil, tem o cumpliciamento das redes sociais. Há muito já deveria ter ocorrido com Jair Bolsonaro a mesma coisa que ocorreu com seu congênere, o Donald Trump, nos Estados Unidos”, disse.

Publicidade
Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.