CPI vai pedir o indiciamento de 66 pessoas ligadas a Bolsonaro, inclusive seus filhos

Vários aliados de Bolsonaro, entre eles políticos, empresários, médicos, empresas e assessores fazem parte da lista; veja aqui

O relatório final da CPI da Covid, que será apresentado aos senadores na próxima terça-feira (19), vai indiciar 66 pessoas ligadas ao presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido), entre eles os seus três filhos Flávio, Eduardo e Carlos Bolsonaro.

Estão na lista vários aliados do presidente, entre eles os deputados do PSL, Carlos Jordy (RJ), Bia Kicis (DF) e Carla Zambelli (SP), o blogueiro Allan dos Santos, empresários bolsonaristas, como Luciano Hang e Otávio Fakhoury, o pastor Silas Malafaia e os assessores Filipe G. Martins e Tercio Arnaud. Todos por incitação ao crime, ao disseminarem fake news e levarem a população a adotar comportamentos inadequados.

Ao presidente do Conselho Federal de Medicina, Mauro Luiz de Brito Ribeiro, foi atribuído o crime de epidemia culposa com resultado morte. Em relação ao ex-ministro da Saúde Ricardo Barros é sugerido o indiciamento por formação de quadrilha.

O relatório aponta ainda a existência de um “gabinete paralelo”, composto por médicos, políticos e empresários que não faziam parte do governo, mas assessorou informalmente Bolsonaro. As orientações não tinham respaldo científico e foram determinantes “para o desastre na gestão da pandemia”. Elas influenciaram ações e discursos do presidente e, consequentemente, o comportamento de milhões de brasileiros. O grupo era formado por Nise Yamaguchi, Osmar Terra, Arthur Weintraub, Carlos Wizard e Paolo Zanotto.

Homicídio qualificado

O texto passou a imputar a Bolsonaro e Pazuello, o mais longevo da pandemia, o crime de homicídio qualificado. Até então, o relatório atribuía a ambos o crime de homicídio comissivo – praticado por omissão. O argumento da CPI é de que Bolsonaro sabia dos riscos que oferecia à população e os assumiu.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.