Cresce a especulação sobre Eduardo Paes como vice de Lula em 2022

Há dois fatos que impulsionam a possibilidade. Veja aqui quais são

Por Ricardo Bruno na Agenda do Poder

A filiação do prefeito Eduardo Paes ao PSD fez brotar a especulação em torno de seu nome como provável vice na chapa de Lula à Presidência da República. Dois fatos impulsionam a possibilidade: o bom andamento entre as negociações do presidente do partido, Gilberto Kassab, e o PT, e a necessidade de se ter na composição um nome de centro, com comprovada força política no eixo Rio/Minas Gerais, estratégicos colégios eleitorais.

– Eduardo seria um ótimo nome – opina o vice-presidente nacional do PT, Washington Quaquá, para quem a composição entre o prefeito do Rio e o ex-presidente Lula teria forte impacto eleitoral dado o caráter complementar de um e de outro.

Outras duas alternativas no PSD seriam o próprio Kassab ou o prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil. Kassab é de São Paulo; sua escolha, portanto, consistiria numa espécie de pleonasmo eleitoral, dada a redundância de origem. Kalil é candidato ao Governo do Minas.

– Acho que, neste quadro, o Eduardo seria o nome ideal – acrescenta Quaquá.

A saída de Eduardo Paes da Prefeitura do Rio em abril de 2022, com pouco mais de um ano de mandato, não é simples. O vice, Nilton Caldeira, embora mantenha relações fraternas com o prefeito, não é exatamente de seu grupo político. Neste caso, a prefeitura ficaria nas mãos de um aliado, mas não de um amigo, de fidelidade comprovada pela convivência.

Há ainda o fato de ter negado a possibilidade de deixar a prefeitura por conta de outro projeto eleitoral. Seu compromisso público é recuperar a administração do Rio, posta em frangalhos na gestão de Marcelo Crivella. A este óbice haveria um forte argumento contrário: na vice-presidência teria condições ainda mais efetivas de ajudar o combalido Rio de Janeiro.