sábado, 24 out 2020
Publicidade

Cristãos contra o fascismo lançam 42 candidaturas nas eleições municipais

O movimento se opõe ao presidente Jair Bolsonaro e ao fundamentalismo religioso

O grupo Cristãos contra o Fascismo, movimento pluripartidário de evangélicos e católicos progressistas, vai lançar 42 candidaturas a vereador e a prefeito em nove estados brasileiros. PSOL, PDT, PT, UP, PC do B, Rede e Cidadania são os partidos que abrigam os postulantes, que são em maioria negros.

Bancada das Cristãs e Cristãos Contra o Fascismo surge como uma resposta à ascensão, em 2018, de Jair Bolsonaro e políticos próximos do ex-capitão que, para o movimento, deturpam a palavra de Deus e manipulam a fé do povo em nome do poder. “Na mesma onda, também se elegeram por todo o país governadores e parlamentares que se autodenominam cristãos, mas defendem o armamento da população, fecham os olhos para a tortura na ditadura militar e propagam preconceitos de toda espécie, contrariando os ensinamentos de Jesus”, afirma o movimento.

“Quem tem como livro de cabeceira a biografia de um torturador não pode se dizer discípulo de alguém que foi torturado, crucificado e morto pelo Estado a mando dos religiosos da sua época”, diz o teólogo Tiago Santos, fundador do movimento e candidato à vereador pelo PSOL em Porto Alegre, em candidatura coletiva.

O grupo tem como objetivo fazer o enfrentamento contra o uso da religião para a obtenção e manutenção do poder político, uma das principais características do fascismo, segundo o movimento e difundir o que seriam os verdadeiros valores cristãos: paz, amor, caridade, tolerância e igualdade entre todos.

Entre as 42 candidaturas, distribuídas em 17 municípios de 6 Estados (SP, RJ, MG, BA, RS , 3 são para prefeito e 39 para vereança, incluindo 5 chapas coletivas (com 31 integrantes no total). O PSOL tem a maior parte das candidaturas (41%), seguido pelo PDT (28%), PT (22%) e UP (8%). PC do B, Rede e Cidadania têm uma candidatura cada. A maioria (73%) das candidaturas é de pretos/pardos. Os brancos são 24% e os indígenas, 3%.

“A cor da pele, o gênero, a sexualidade ou a classe social ainda determinam quem tem direito a viver com dignidade e quem pode ser tratado como a escória da sociedade sem maiores consequências. A intolerância contra os marginalizados é alimentada por aqueles que se dizem os mais cristãos, os fiéis seguidores de Jesus Cristo”, afirma Diana Brasilis, coordenadora nacional do movimento e candidata a vereadora em São Paulo pelo PDT. “Fascismo se combate, não se discute.”

Leticia Gabriella, articuladora do movimento em São Paulo e também candidata a vereadora pelo PDT afirma que “os evangélicos fundamentalistas não a representam, por terem ações e atitudes reacionárias”. “O Cristãos Contra o Fascismo é um movimento que se opõe a isso, respeitando as diversidades de raça, gênero e classe e garantindo o respeito aos direitos humanos, aos direitos fundamentais e à liberdade de expressão. Por isso faço parte, sabendo que a nossa luta é por libertação e respeito nos templos religiosos e na sociedade”, declarou.

Outro integrante da bancada é o pastor Everaldo Jesiac, líder da Comunidade Apostólica Tribo de Benjamin – Lugar Sem Preconceito, homossexual e integrante do grupo Cristãos Trabalhistas do PDT. “Meus pais são evangélicos, então acabei entrando nesse meio. Mas vi muitos preconceitos nas congregações por onde passei, não acho certo. Hoje tenho a minha igreja, não é exclusiva para LGBTQIA+, recebemos pessoas de todos os tipos. E eu falo para todos: nunca desfaça dos outros, aprenda a amar o próximo, o primeiro mandamento que Jesus ensina”, diz o candidato a co-vereador em São Paulo na chapa coletiva Periferia Ativa Búfalos.

Origem

O movimento surgiu a partir da iniciativa de Tiago Santos, que era pastor em Porto Alegre insatisfeito com os rumos da igreja em que atuava. Na campanha eleitoral de 2018, o movimento ganhou corpo em meio ao #EleNão e o engajamento de mulheres de Porto Alegre se juntaram à causa. Foi daí que surgiu o nome Cristãos Contra o Fascismo, com o lançamento do grupo nas redes.

Além de formar a Bancadas das Cristãs e Cristãos Contra o Fascismo para disputar eleições, o movimento tem atuação que não se resume ao período eleitoral e se coloca em permanente oposição ao fundamentalismo religioso e na construção de uma cultura de paz. Entre as atividades realizadas, estão estudos bíblicos, manifestações de rua (antes da pandemia) e criação de conteúdo de conscientização teológica e política.

O movimento também jpa acionou o Ministério Público para denunciar a exploração da fé. Um exemplo foi o feijão mágico lançado pelo pastor Valdemiro Santiago, fundador da Igreja Mundial do Poder de Deus. Segundo o pastor, o feijão mágico teria poder para curar a Covid-19. O Ministério Público Federal ajuizou uma ação contra ele.

Confira abaixo o Manifesto dos Cristãos Contra o Fascismo:

Nós, cristãs e cristãos, que seguimos Nosso Senhor Jesus Cristo, nos manifestamos para que ‘’todos tenham vida em abundância’’ (João 10.10) e contra o retorno das ideologias fascistas e totalitaristas. Repudiamos a manipulação da fé das pessoas e dos espaços religiosos para a propagação da negação da política do bem comum e do amor ao próximo!
Povo de Deus, fiquemos atentos aos discursos e às candidaturas políticas que utilizam os anseios e angústias do povo para a exaltação de figuras messiânicas! Diante destes desafios, nos posicionamos a favor dos valores do Evangelho, expressos da seguinte forma:
• Somos a favor da conversão e restauração das pessoas e contra a pena de morte; pois Jesus foi condenado à morte para que ninguém morresse assassinado como ele. (cf. Mt 12.7, Mc 5.1-20, Jo 8.1-11)
• Somos a favor da dignidade humana e contra a tortura; pois Jesus foi torturado e flagelado. (cf. Gn 1.26, Is 53.7; Lc 6.29-38)
• Somos a favor do livre arbítrio e da democracia, e contra a ditadura e ideias totalitaristas; pois é para a liberdade que Cristo nos libertou. (cf. Pv 29.2, Sl 125.3, Is 10.1, Mq 3.9-12, Am 5)
•Somos a favor da acolhida dos sofredores e excluídos e contra toda forma de discriminação; pois Jesus disse que “quando fizestes a um desses meus pequeninos irmãos, foi a mim que o fizestes” (Mt 25, 40). (Mt 25.35-46, At 10.34, Rm 2.11)
• Somos a favor da misericórdia e da caridade e contra os discursos de vingança e de ódio; pois Jesus disse “sede misericordiosos como o Pai”. (Lc 6, 36). (Mt 5.1-16, Mt 18.21-22, Lc 23.34, Jo 18.11, Ex 34.6, Is 14.1, Is 63.7, Ex 33.19, Ex 34.6-7, Sl 86.15, Is 54.8, Jn 4.2)
• Somos a favor do respeito às mulheres e contra o preconceito que as atinge; pois Jesus respeitou todas as mulheres e as exaltou à igualdade. (Mq 2.9, Mt 9.22, Mt 28.1,5-10, Jo 4.1-29, Jo 8.1-11, Ex 15.20-21, Lc 8.1-3, Mt 26.6-13)
• Somos a favor da promoção da paz e contra o culto às armas; pois Jesus é o príncipe da Paz. (Mt 5.9, Jo 14.27, Rm 8.6, Nm 626, Is 32.17, Is 66.12)
• Somos a favor da abertura à vida e da defesa de todas as famílias, e contra a esterilização de pessoas pobres; pois Jesus caminhou com pessoas de famílias pobres. (Sl 127.3-5, Lc 1.42, Gn 4.1, Gn 2.7, Js 14.10, Sl 27.1, 36.9 e 41.2)
• Somos a favor do acolhimento do estrangeiro e contra a xenofobia e a repulsa aos refugiados; pois Jesus disse “era estrangeiro e hospedaste-me”. (Mt 25, 35). (cf. Dt 10.19; 24.17; 27.19; Ex 22.21; Ex 23.9; Ga 3.28; Hb 13.2)
Convocamos todas as Igrejas de Cristo, e a sociedade, a orarmos pela cultura da paz e pelo fim das iniquidades que oprimem o povo brasileiro. É necessário que nos posicionemos contra igrejas, cristãos, movimentos e candidaturas políticas que propaguem a discriminação, a apologia às armas, o preconceito, a falta de amor, a exaltação da tortura e qualquer negligência contra a dignidade de todas as pessoas. Juntos e em comunhão, conscientes da nossa participação cidadã, podemos caminhar rumo a uma nação justa, fraterna e humana, onde o Reino de Deus se faça presente.
Amém!

Pré Candidaturas cristãs Contra o Fascismo Na Região Metropolitana de BH/MG

Nos levantamos um pról de uma política diferente! De encontros, de diálogos e de Amor.Que reflita os valores de Jesus de Nazaré. Pobre que andou com os miseráveis, excluídos da sua época, condenou o acúmulo de riquezas, por entender que todo mundo tem o direito de ser gente, foi preso, torturado e morto pelo poder militar religioso de seu tempo.Temos histórias e vivências diferentes.Somos de luta, de várias militâncias e partidos.Porém de um mesmo sonho: de transformação das nossas cidades.Somos cristãs e cristãos e estamos na luta contra o Governo de Morte! O nosso Deus é o Deus da Vida.Não pactuamos com o setor fundamentalista que tem o poder político, econômico e que faz juízo moral de tudo e todos.Os coronéis da fé, homens brancos e ricos, da chamada bancada da Bíblia não nos representam. Aliás, esses só enriquecem às custas do sofrimento do Povo.Não nos encaixamos em uma religiosidade violenta baseada na opressão.Lutamos pela democracia, pelos direitos humanos, pela diversidade.A nossa tarefa é a defesa do estado laico, da liberdade religiosa e de cidades mais humanas e alegres.Temos sede de Justiça!Acreditamos que Jesus Cristo é libertador e quer vida abundante para todo mundo.Chegou a hora! É necessário que posicionemos contra o machismo, o racismo e a lgbtfobia que trazem tanto sofrimento e morte todos os dias em nosso país.Em memória de Jesus colocamos nossos corpos à disposição do campo político para dizer que é possível fazer uma política de forma generosa, acolhedora, lutando pelo bem viver de todas as pessoas.Afirmando que a bandeira de Jesus não é a violência, e sim o amor!

Publicado por Cristãos Contra o Fascismo em Quarta-feira, 23 de setembro de 2020
Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.