Da esquerda à direita, 15 partidos se unem em ato no Dia Internacional da Democracia

Evento organizado pelo movimento “Direitos Já!” em São Paulo contará com a presença de lideranças que vão do PT, PDT e PSOL até Podemos e PSL

Para marcar o Dia Internacional da Democracia, celebrado dia 15 de setembro, lideranças de partidos de esquerda, centro e direita participarão nesta quarta-feira de um ato presencial organizado pelo movimento “Direitos Já!” em São Paulo.

O evento acontece em meio a intensificação das investidas que o presidente Jair Bolsonaro faz contra a ordem democrática brasileira com seus ataques às instituições e ameaças à realização das eleições de 2022.

Estarão presentes o deputado Alessandro Molon (líder da Oposição na Câmara dos Deputados – PSB/RJ), Antonio Neto (presidente municipal do PDT São Paulo), Fábio Trad (deputado federal – PSD/MS), Fernanda Melchionna (deputada federal – PSOL/RS), Gleisi Hoffman (presidenta nacional do PT – deputada federal – PT/PR), Heloísa Helena (porta-voz nacional da Rede Sustentabilidade), Igor Soares (prefeito de Itapevi – Podemos/SP), José Anibal (senador – PSDB/SP), José Luiz Penna (presidente nacional do PV), Júnior Bozzella (deputado federal – PSL/SP), Luciana Santos (presidenta nacional do PCdoB – vice-governadora de Pernambuco), Luiz Henrique Mandetta (ex-ministro da Saúde – DEM), Marcelo Ramos (1° vice-presidente da Câmara dos Deputados – PL/AM), Roberto Freire (presidente nacional do Cidadania) e Simone Tebet (senadora – MDB/MS).

Em nome do PDT, Antonio Neto, que preside a sigla na capital paulista, afirmou à Fórum que seu partido vem participando do movimento Direitos Já desde o início “pois sempre compreendemos que a defesa da democracia exige vigilância permanente de amplos setores, envolvendo partidos democráticos, centrais sindicais, movimento estudantil, movimento social e entidades da sociedade civil”.

“O II Ato Internacional do Direitos Já vem com esse espirito mandando uma mensagem clara para aqueles que insistem em atacar a nossa democracia, as instituições e a nossa Constituição: resistiremos sempre!”, declarou.

A presidenta do PT, deputada Gleisi Hoffmann, disse à reportagem, por sua vez, que, “nesse momento, é importante ampliar a defesa da democracia, só nela todas as forças políticas podem se manifestar e defender o que pensam”.

“No atual cenário político, de tantos ataques e afrontas às instituições públicas, de retirada de direitos fundamentais dos trabalhadores e dos brasileiros, é fundamental marcar o Dia Internacional da Democracia com a união de todos que defendem as liberdades, a soberania popular e o Estado Democrático de Direito”, pontuou a parlamentar.

O ato será realizado a partir das 18h no Auditório da Força Sindical, em São Paulo, e contará com transmissão ao vivo neste link.

Publicidade

O movimento Direitos Já!, que organiza o evento, foi lançado em 2019 a partir da iniciativa de inúmeros segmentos da sociedade civil e é coordenado pelo sociólogo Fernando Guimarães. Trata-se de um observatório que visa defender a democracia brasileira promovendo debates, atos e articulações entre a sociedade. Reúne os partidos PSOL, PCdoB, PT, PSB, PDT, PV, REDE, PSDB, PSD, Cidadania, Podemos, MDB, DEM, PSL, PL e AGIR.

Oposição e centro se reúnem para debater impeachment

Também nesta quarta-feira (15), mais cedo, partidos de oposição se reuniram com lideranças de legendas de centro na Câmara dos Deputados para debater ações conjuntas em resposta aos atos golpistas de Jair Bolsonaro e seus apoiadores no 7 de setembro.

Publicidade

Os parlamentares também discutiram a apresentação de um novo pedido de impeachment contra o presidente.

Participaram do encontro lideranças do PT, PDT, PSB, PSOL, PCdoB, Rede, PV, Cidadania e Solidariedade.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR